ALPB lança campanha Outubro Rosa e firma parceria com Associação Mulheres de Peito

Foto: Reprodução

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) abraçou mais uma vez a ‘Campanha Outubro Rosa’ e firmou uma parceria com o projeto ‘Mulheres do Peito’, que ajuda vítimas do câncer de mama. A instituição, com sede em Campina Grande, é responsável pela criação da boneca Maria, cuja renda da venda auxilia na realização de exames de mamografia e biopsias que ajudam no diagnostico precoce da doença. A boneca e demais produtos com a personagem Maria, serão vendidos na sede do Legislativo a partir desta quarta-feira (9), quando uma sessão especial marca o lançamento do Outubro Rosa no âmbito do Legislativo Paraibano. Os produtos estarão expostos no Salão Nobre da ALPB até a sexta-feira (11).

O objetivo da parceria com o Poder Legislativo é ampliar as ações da Associação que atua majoritariamente em Campina Grande e começa a entrar em João Pessoa. A Mulheres de Peito ajuda mulheres com suspeita de câncer de mama, em busca do diagnóstico precoce, orientando no atendimento, exames e tratamento necessários para o diagnóstico. A intenção é também diminuir o elevado índice de mortalidade de mulheres com a doença.

60211159_2304131039828829_8464287415404593152_n

O presidente da ALPB, Adriano Galdino, destacou a importância de apoiar o projeto Mulheres do Peito e ressaltou que o Legislativo todos os anos prepara uma programação voltada para o Outubro Rosa. “A necessidade de prevenir favorece e diminui a taxa de mortalidade, que ainda é muito alta em todo país. Ao longo dos anos, temos nos dedicado para que cada vez mais pessoas tenham consciência para realizar exames o quanto antes e evitar que o tratamento seja mais doloroso. O apoio desse projeto tão importante só vem a acrescentar o nosso desejo de oferecer melhores condições para o nosso povo”, disse o presidente.

A responsável pelo projeto Mulheres de Peito é a mastologista Cristiane Araújo. A médica agradeceu a iniciativa da ALPB e afirmou esperar que a ação possa ajudar as pessoas mais carentes a terem direito à prevenção. O projeto conta com um grupo de médicos que decidiram doar biópsia e mamografia para mulheres carentes da Paraíba. “O rastreamento precoce é ação fundamental para garantir tratamento às mulheres vítimas da neoplasia, que mais afeta a população feminina no Brasil. O número de óbitos é alto ainda em decorrência de vários fatores, sendo o principal deles o diagnóstico tardio, por falta de acesso aos exames e informação”, comentou.

Outras ações – Assim como é realizado todos os anos, o Legislativo Estadual também vai promover debates e palestras sobre a campanha. O portal da Assembleia também está abraçando a ‘Campanha Outubro Rosa’ e aderiu a cor rosa, com o objetivo de apoiar as iniciativas para a conscientização da prevenção do câncer.

A ALPB tem leis que proporcionam ampla divulgação sobre direitos do cidadão, que trata da efetivação de ações de saúde que assegurem prevenção, detecção e tratamento. A deputada Cida Ramos, que protocolou o projeto de Lei 1.947/2019, instituindo a data 27 de novembro como o Dia Estadual de Luta Contra o Câncer de Mama, relembrou que a doença vem sendo compreendida como um relevante problema de saúde pública.

“Essa questão merece atenção do poder público, seja federal, estadual ou municipal. Os dados são claros e demonstram que no Brasil as estimativas de incidência de câncer de mama para o ano de 2019 são de 59.700 novos casos, o que representa 29,5% desse tipo de neoplasia. A idade é um dos mais importantes fatores de risco para a doença. As estatísticas mostram que quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos de idade.”, destacou a parlamentar.

Segundo uma estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca), até o final de 2019, serão diagnosticados 880 novos casos de câncer de mama no estado da Paraíba. Um estudo da Universidade Federal de Goiás, em parceria com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), mostrou que o sedentarismo, o cigarro e o consumo de bebidas alcoólicas são fatores que aumentam o risco de contrair o câncer de mama. Apenas 10% são causas hereditárias.

Entenda – O movimento Outubro Rosa surgiu nos Estados Unidos na década de 1990 e é celebrado no Brasil há cinco anos. Cerca de 50 mil mulheres por ano são diagnosticadas com câncer de mama no Brasil. A cada ano várias cidades do país colorem de rosa alguns de seus principais monumentos, como por exemplo, a catedral e o Congresso Nacional em Brasília, o Cristo Redentor no Rio de Janeiro e o Viaduto do Chá em São Paulo para incentivar as atividades da campanha.

VEJA TAMBÉM:

Ranking aponta UFPB como 31ª melhor do país, UFCG ocupa 44ª posição e UEPB aparece em 92º lugar

Compartilhar

Enquete

Cotações

  • Dólar TurismoR$ 4,2300
  • LibraR$ 5,2414
  • Peso Arg.R$ 0,0691
  • BitcoinUS$ 7.469,0000

Denuncie pelo WahtsApp