DESABAFO: Ex-governador Ricardo Coutinho fala sobre crise no PSB paraibano

João Azevêdo e Ricardo Coutinho (Foto: Secom/PB)

“Sirvo para eleger senador, governador, que a quatro meses da eleição tinha apenas 2% de conhecimento entre o eleitor, para eleger deputados estaduais e federais e não sirvo para presidir um partido que construí ao longo desses anos todos? Tem algo que não se encaixa e tem verdade que não foi dita”.

Com tal afirmação, o ex-governador da Paraíba e agora presidente da sigla no Estado, Ricardo Coutinho, comentou a crise interna do partido. A afirmação concedida à Rádio Serra Branca.

Ele afirmou que sua escolha para presidência do partido foi uma decisão da executiva nacional com o objetivo de reconstruir o partido.

“O partido estava perdendo o ritmo e burocratizado. Quem estava à frente não tinha mais nesse ânimo e, ao assumir uma vaga no governo, teria que renunciar. É claro que não pode ser secretário do governo e continuar como presidente do partido, porque são coisas diferentes. A maioria do diretório achou que isso não seria compatível e que eu deveria reassumir para o PSB tomar fôlego. Então, não entendo por que é que alguns, de forma ingrata, desleal, não concordam com meu nome”, disse.

Ricardo contou que entre os deputados que se posicionam contra ele, há alguns que não queriam o atual governador na disputa pelo cargo em 2018, “afirmando que João não decolaria. E eu sustentei a pisada e hoje estão aí, falando para naturalmente envolver e controlar o governo”.

Ele ressaltou que “para a saúde do partido, é preciso que se perda gordura para ganhar massa magra”.

VEJA TAMBÉM:

PDT de Ciro e Rede de Marina estão de olho na filiação de João Azevêdo

Compartilhar