Família está morando em barraco improvisado em bairro nobre de CG; pai pede emprego

Barraca da família – Fotos: reprodução TV

A família Oliveira está abrigada improvisadamente num barraco de lona e materiais reciclados há alguns dias num terreno do bairro Catolé em Campina Grande, no Agreste da Paraíba. O pai, Valdir, disse que não tem como manter um aluguel de uma casa e que precisa de um emprego. A Secretaria de Assistência Social (Semas) informou que já tinha assistido à família duas vezes, uma com uma casa própria no programa habitacional, outra no aluguel social, mas eles não se adaptaram.

Valdir está com a mulher, Simone, e dois filhos adolescentes no terreno em frente ao Sebrae, na parte conhecida como Canal do Prado. Ele explicou que não consegue mais arrumar trabalho suficiente para pagar o aluguel. Ele é servente de pedreiro e pede uma oportunidade de trabalho. “A gente está a perigo de ser despejado, mas não podemos mais fazer nada, só esperar”, disse.

Simone, mãe da família

Já a mulher dele, Simone, também está sem trabalho. Ela faz os serviços domésticos, mas ultimamente não tem conseguido diárias. “A gente dorme aqui quase ao relento, com muito inseto, muito frio e com o básico. Mas não podemos tomar banho nem fazer outras coisas. Eu queria poder ter onde morar”, explicou.

Ao final da matéria, na TV Paraíba, a Semas lançou uma nota em que explicou que já tinham dado a oportunidade de uma casa para a família, num dos conjuntos habitacionais da cidade, mas por problemas com vizinhos e confusões, eles saíram de lá. A Semas disse que os agregou ao programa de aluguel social, mas pelos mesmos motivos, eles saíram também do local.

Poucos objetos no barraco

Na atual situação, a Semas já visitou a família, ofereceu outra residência alugada, mas Valdir e a mulher recusaram. Os interessados em ajudar a família, procurar os mesmos no terreno.

Redação PB Debate com TV PB

LEIA TAMBÉM:

Ônibus coletivo pega fogo em CG nesta segunda (17)

Compartilhar