FAMINTOS: TRF5 manda soltar seis investigados; Renan Maracajá continua preso

Renan na tribuna da Câmara (Foto: Ascom)

Seis empresários investigados na Operação Famintos, que apura fraudes em licitações e desvios de recursos na merenda escolar de Campina Grande, foram soltos nesta quarta-feira, 12, após uma decisão da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5).

Em sessão, foi considerado pelos desembargadores que os réus possuem residência fixa e não representam, no momento, nenhum risco ao andamento do processo.

São eles: Ângelo Felizardo do Nascimento, Flávio Souza Maia, Josivan Silva, Kátia Suênia Macedo Maia, Luiz Carlos Ferreira Brito Lira, Pablo Allyson Leite Diniz.

Porém, o vereador campinense Renan Maracajá (PSDC) – preso preventivamente desde o dia 22 de agosto, data em que foi deflagrada a segunda fase da Famintos – irá continuar detido, após um pedido de vistas feito pelo desembargador Fernando Braga.

A defesa do parlamentar impetrou o habeas corpus com o argumento de que Renan é réu primário e de que ele possui bons antecedentes.

Mas, o pedido, que chegou a ser analisado de forma preliminar pelo desembargador Rogério Fialho, ficou para ser decidido pela 3ª Turma do TRF.

Com o pedido de vistas, o habeas corpus de Maracajá será julgado em uma nova sessão da 3ª Turma, marcada para a próxima quinta-feira (19).

Outro pedido de habeas corpus, o de Severino Roberto Maia de Miranda, também não foi apreciado. Este está sob a relatoria do desembargador federal Rogério Fialho Moreira.

Além de Renan e Severino Roberto, continuam presos Frederico Brito Lira e Marco Antônio Querino da Silva.

Redação Paraíba Debate com informações do Jornal da Paraíba

VEJA TAMBÉM:

ALPB bate recorde de produção de matérias em 2019; presidente Adriano Galdino comemora feito

Compartilhar