Polícias e Ministério Público podem chegar ao autor intelectual dos assassinatos de Marielle e Anderson

Carro do assassinato – Foto: UOL

A família da vereadora Marielle Franco (PSOL) recebeu com esperança a notícia da prisão do PM Ronnie Lessa, 48, e ex-PM Élcio de Queiroz, 46. Agora, eles acreditam que as polícias e o Ministério Público do Rio de Janeiro possam chegar ao mandante do crime. Mãe, irmãos e viúva de Marielle deram depoimentos nesta terça-feria (12).

“Eu me sinto aliviada, mas não é suficiente. A família quer, Deus queira, e eu como mãe, que a gente saiba quem foi o mandante do assassinato da minha filha”, disse a mãe de Marielle, Marinete Silva, em entrevista à BandNews FM.

A polícia está revelando aos poucos o que tem apurado com os acusados presos. O ex-PM Élcio foi expulso da corporação por fazer segurança ilegal numa casa de jogos de azar no Rio de Janeiro.
Ele dirigia o Cobalt prata usado no noite do crime.

Para a Polícia Civil e o MP do Rio, o sargento reformado da PM, Ronnie seria o autor dos disparos no assassinato. Os dois foram alvos da Operação Lume, realizada nesta terça, e denunciados por duplo homicídio qualificado.

O crime, de acordo com a Polícia, foi planejado três meses antes do crime. Em nota, os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do MP-RJ, dizem que houve meticulosidade nos assassinatos.

“A empreitada criminosa foi meticulosamente planejada”, relata a nota das autoridades. O crime completaria um ano na próxima quinta-feira (14) e foi muito lembrado e cobrado uma solução pelos cidadãos brasileiros e até pela imprensa internacional.

Redação PB Debate com UOL

LEIA TAMBÉM:

Polícia prende PMs suspeitos pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes

Compartilhar