Bruno admite realizar São João de Campina Grande este ano com protocolos sanitários e de forma descentralizada

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), nesta terça-feira (26), comentou a postura do secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, que voltou a defender o cancelamento do Maior São João do Mundo em 2021 devido à pandemia da Covid-19 e admitiu realizar a festa no segundo semestre deste ano, obedecendo protocolos sanitários. 

“O secretário Geraldo precisa se preocupar com as questões de vacinação, de recebimento, distribuição e pode ficar absolutamente tranquilo que de Campina Grande cuidemos nós. As decisões sobre o São João quem vai tomar somos nós. Temos uma equipe técnica de segurança sanitária, engenheiro do trabalho, engenheiro sanitário, médicos que estão nos ajudando a pensar as soluções. Problema todo mundo sabe que existe. O desafio é apresentar solução”, frisou.

Para Bruno, se alguém prefere apostar quanto no pior melhor definitivamente esse lado não é Campina Grande. O prefeito afirmou que a festa junina é importante para o município e o Estado. “Havendo a oportunidade, se as vacinas chegarem em quantidade necessária, ainda que se faça um São João adaptado para respeitar os limites de segurança, os limites sanitários, ainda que seja necessário descentralizar o São João, não ser realizado apenas no Parque do Povo, mas também em outros espaços para garantir que não aconteçam grandes aglomerações, nós vamos fazer. É importante culturalmente, é importante economicamente para a Paraíba. E naturalmente a cidade vive essa expectativa”, argumento.

Ele ainda ressaltou que, se não for possível realizar em junho, “nós realizamos em julho, agosto, em setembro. O que nós queremos é garantir a nossa cultura e a nossa economia com respeito a vida , com respeito ao regramento sanitário que vem em primeiro lugar”, concluiu.

O QUE PENSA GERALDO MEDEIROS

O secretário destacou que mesmo com a distribuição da vacina contra a Covid-19 na Paraíba, não vê a possibilidade de que Campina Grande consiga realizar um São João de forma segura, tendo em vista que o evento abriga mais de um milhão de pessoas de vários Estados e também de outros países.

“Desde o início emiti minha opinião e fui criticado. Um evento de um milhão de pessoas circulante não há como ser realizado porque acarretará em mortes e nosso objetivo sempre foi salvar vidas”, assinalou Medeiros.

Para ele, a pandemia do novo Coronavírus “é uma realidade que nós temos que conviver com ela durante todo o ano de 2021”.

Veja também:

Compartilhar