Gervásio Maia confirma distanciamento político de Ricardo Coutinho e sinaliza diálogo com João Azevêdo

O presidente do PSB da Paraíba e deputado federal, Gervásio Maia, confirmou nesta quinta-feira (28), durante entrevista a Arapuan FM, afastamento com o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB). O parlamentar revelou quando foi seu último contato com o líder político, admitiu a possibilidade de conversas com o governador João Azevêdo (Cidadania) de olho em 2022 e relembrou o racha no partido em 2019.

“A última vez que falei com o ex-governador Ricardo foi na véspera da convenção do PSB de João Pessoa. Quero dizer que não participei das decisões que foram tomadas pelo partido no município e fique sabendo da candidatura dele pelas redes sociais. Tentei conversar com Ricardo um dia antes para expor minha opinião, mas infelizmente ele não pôde me receber. De lá para cá, o que existe na verdade é uma afastamento”, declarou.

Ele lembrou que assumiu o comando do partido em meio ao racha causado pelo rompimento entre Ricardo Coutinho e João Azevêdo, que migrou para o partido Cidadania. “Lutei muito contra uma coisa chamada tempo, cheguei à Presidência do PSB em dezembro de 2019, três meses para a data final de filiações e mesmo assim recebemos diversos amigos e outros permaneceram apesar das dificuldades por conta do racha entre João Azevêdo e o ex-governador Ricardo. Mas foram 90 vereadores, 10 vice-prefeitos e 5 prefeitos eleitos em 2020. Infelizmente não houve uma construção colegiada algo que refletiu no Estado todo”, pontuou.

Sobre marchar ao lado do governador João Azevêdo, que deverá buscar a reeleição em 2022, Gervásio afirmou: “Eu fiz uma opção em 2019, tinha dois caminhos: ou ficava com João ou com Ricardo. Fiquei ao lado de Ricardo, pois meu coração naquele instante dizia que era o caminho certo, mesmo sendo o mais difícil e mais duro. João Azevêdo não me deve nada, não me faltou em nada e eu também não faltei a ele. O único motivo do nosso rompimento foi esse, fiz uma opção. Vamos para frente, vamos conversar e construir as coisas”.

O deputado concluiu garantindo que não estará no mesmo palanque de Romero Rodrigues (PSD), ex-prefeito de Campina Grande e pré-candidato a governador em 2022 que haverá de encarrar a disputa apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Jamais estarei ao lado de Bolsonaro, não concordo com nada que ele fez. Nosso campo é o campo da esquerda”, finalizou.

Redação Paraíba Debate

Veja também:

Compartilhar