Bruno comenta tese lançada por Manoel Ludgério de aliança entre João Azevêdo e Romero Rodrigues

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), discordou, durante entrevista nesta quinta-feira (4), da defesa feita pelo deputado estadual Manoel Ludgério (PSD) sobre uma aliança entre o ex-prefeito Romero Rodrigues (PSD) e o governador João Azevêdo (Cidadadania) para as eleições de 2022.

Bruno disse que respeita o direito de Manoel se expressar, mas não pode concordar. Segundo ele, a aprovação de Romero em Campina Grande o credencia para voos maiores, inclusive de ocupar uma cabeça de chapa.

Acesse: Decreto libera aulas presenciais em escolas particulares de Campina Grande

“Eu tenho dito que os bons resultados de Campina Grande, a aprovação do ex-prefeito Romero, a musculatura política que temos, tudo isso favorece para que a gente chegue a 2022 com um tamanho suficiente para disputar o Governo do Estado a partir da cabeça da chapa, na condição de governador. Óbvio que eu tenho um conhecimento antigo que diz – eu posso não concordar com o que você diz, mas vou defender até o fim o seu direito de falar. O deputado Manoel e todos os outros têm direito de expressar suas opiniões, mas a minha opinião é de que a gente se mantenha unido, coeso, com estatura política, maturidade, para chegar a mesa de debates com os aliados, com os demais partidos, apresentando as nossas propostas e nosso cronograma e defendendo aquilo que a gente vem defendendo”, disse.

Para o prefeito, não é momento para debater sobre o próximo pleito estadual. “Particularmente defendo uma politica feita com honestidade, ética, transparência, gestão com eficiência e é isso que a gente pretende levar para o debate estadual no momento oportuno, entendendo que essa discussão deve ficar em 2022. É cedo, é antecipado para começar a se falar em eleição agora”, pontuou Bruno.

Veja também:

Compartilhar