Polícia afirma trabalhar incessantemente​ para recapturar mentor da “barbárie de Queimadas”​, que completa nove anos

O mentor da “barbárie de Queimadas”, Eduardo dos Santos Pereira, continua foragido há quase três meses quando conseguiu escapar após ter acesso a uma chave no almoxarifado da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, o PB1, em João Pessoa. A fuga ocorreu dia 17 de novembro de 2020 e desde então, ainda não foi encontrado. A Paraíba já acionou a Interpol e a Polícia Civil diz que trabalha incessantemente para recapturar o foragido.

Nesta sexta-feira (12), completa nove anos do crime que ficou conhecido por “barbárie de Queimadas” que foi o estupro coletivo que resultou na morte de duas mulheres. Nesse dia, cinco mulheres foram estupradas e duas delas, a professora Isabela Pajuçara e a recepcionista Michelle Domingos, acabaram sendo assassinadas no município de Queimadas, no Agreste paraibano. Todas estavam em uma festa de aniversário em uma casa com dez homens. O crime teria sido planejado, como apontaram as investigações.

Eduardo dos Santos foi condenado a 108 anos de reclusão por dois homicídios, formação de quadrilha, cárcere privado, corrupção de menores e porte ilegal de arma, além dos cinco estupros. De acordo com as investigações, o criminoso escapou da cadeia por uma porta lateral que dá acesso ao almoxarifado.

“A gente está trabalhando para tentar a recaptura dele. É um trabalho em conjunto com a Secretaria de Administração Penitenciária. Foi designado um delegado para investigar o caso. Mas a equipe tem feito um trabalho incessantemente, diuturnamente parta tentar recapturá-lo”, disse o delegado geral da Polícia Civil, Isaías Gualberto. Uma foto do mentor do crime já foi divulgada para as diversas polícias no País. O trabalho conta com apoio de outros Estados brasileiros. 

Redação Paraíba Debate com Click Paraíba

Veja também:

Compartilhar