Servidores da Educação de Campina Grande seguirão em greve: “Ano letivo está apenas no decreto do prefeito”

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais do Agreste e Borborema (Sintab), Giovanni Freire, disse nesta terça-feira (23) que os profissionais da rede municipal de ensino de Campina Grande mantiveram o movimento grevista e não retornaram ao trabalho, mesmo com o anúncio de volta às aulas por parte da Prefeitura.

“Está apenas no decreto do prefeito, porque os trabalhadores decidiram manter o movimento e não iniciar o ano letivo”, afirmou.

Acesse: ‘Autorizado’ pelo STF, Bolsonaro nomeia 3º colocado para Reitoria da UFCG

Giovanni queixou-se de que o prefeito não apresentou disponibilidade para dialogar com os profissionais. Ele reforçou que não há possibilidade de retorno das aulas presenciais, tendo em vista a realidade da pandemia, e que não há como existir aula remota, tendo em vista que não há condições de trabalho para os professores.

Sobre a possibilidade de judicialização da questão, o secretário de Educação de Campina Grande, Raymundo Asfora Neto, comentou que a resposta virá no momento correto. “Estamos alinhados com a Procuradoria do Município e, caso sejamos acionados, responderemos judicialmente no momento correto”, pontuou.

Ele ainda negou que há intransigência e falta de diálogo por parte da Seduc. “Nós nunca estivemos fechados ao diálogo. Por isso esse espanto em relação à greve. Nenhum ponto abordado nas nossas reuniões ficou sem resposta”, declarou.

Veja também:

Compartilhar