Professores e servidores da Educação de Campina Grande suspendem greve

Os servidores da Educação de Campina Grande decidiram suspender a greve geral da categoria, em assembleia virtual realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais do Agreste e Borborema (Sintab), nesta sexta-feira (5).

A deliberação ocorreu como reposta ao processo de negociação aberto com a gestão, garantido pela luta dos efetivos, em greve desde o dia 1º de fevereiro, em defesa da vida, acima de tudo, e por outros direitos negados.

Segundo informou o presidente Giovanni Freire, em reunião realizada na última quarta-feira (3), o procurador do município, Aécio Melo, disse que o prefeito Bruno Cunha Lima (PSD) deve receber o sindicato e apresentar propostas.

“O prefeito recebendo, a gente traz a proposta para avaliação da categoria. Reforçando que o retorno às aulas presenciais só deve acontecer após vacinação em massa da população”, acrescentou.

A força dos servidores em greve foi destacada pelo diretor de Política e Formação Sindical, Franklyn Ikaz.

“Entendo que participar da greve é uma expressão de consciência política. A gente sabe das dificuldades, a gente sabe que vai ser muito atacado na correlação de forças, mas mesmo com tudo isso pesando contra nós, tivemos uma adesão muito grande e a greve teve uma grande repercussão. Radical não é a greve, radical é a morte, estamos fazendo a nossa parte e continuaremos fazendo”, afirmou.

Após reunião com o prefeito e a proposta apresentada, a direção do sindicato convocará nova assembleia para apresentar aos servidores, que devem deliberar se encerram o movimento ou se retomam a greve.

Relembre o pleito cobrado pela categoria:
Aulas presenciais só após vacinação em massa da população;
Condições ideais para o ensino remoto;
Pagamento do 14º salário da educação;
Cumprimento das progressões;
Recarga em dia do cartão de passagem;
20% de insalubridade para o pessoal de apoio, diante da pandemia;
EPIs.

Veja também:

Compartilhar