Geraldo Medeiros chama Bruno Cunha Lima de ‘neófito em gestão’ e vereador diz que prefeito compartilhou fake news

O prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), se posicionou contra a avaliação do Plano Novo Normal Paraíba que colocou o município na bandeira laranja da pandemia, possibilitando a implantação de medidas mais duras contra a Covid-19. O secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, reagiu as declarações do prefeito nesta segunda-feira (8).

Para o médico, Bruno é ‘neófito em gestão pública’. “Necessita aprender a interpretar e calcular o índice de transmissibilidade, que não é calculado pelo Governo da Paraíba e sim pelo departamento estatístico da Universidade Federal da Paraíba”, disse Geraldo ao falar sobre a taxa de letalidade e transmissão do vírus na cidade, índices questionados por Bruno.

Acesse: Apesar de estar classificada na bandeira laranja, nada muda, por enquanto, em Campina Grande

O vereador de João Pessoa, Bruno Farias (Cidadania), também rebateu o prefeito campinense. Ele lamentou as declarações desatualizadas de Cunha Lima, que citou dados, segundo o parlamentar, falsos sobre os leitos de UTI em João Pessoa.

“O prefeito de Campina Grande, talvez induzido ao erro, disse que o Hospital Santa Isabel reduziu o número de vagas de UTI de 40 para 20. Essa informação não procede, isso é uma fake news! O plano de contingência da unidade na gestão Cartaxo previa 50 leitos de UTI para o Ministério da Saúde, mas era pura ficção. E nunca chegou a 20. Só recebemos 10”.

E completou: “Em poucos dias, Cícero abriu mais 60 vagas em uma única unidade hospitalar, sem falar das 25 novas que estão sendo abertas no Pronto Vida”, desabafou o vereador.

Farias disse ainda que, ao invés de usar as redes sociais para disseminar medo e desinformação, após uma reunião em que o governador João Azevedo (Cidadania) mostrou-se aberto ao diálogo, o prefeito da Rainha da Borborema deveria assumir a postura de gestor de uma grande cidade que tem o papel de atender a sua macrorregião, sem se lamentar por este papel, já que recebe recursos para tanto. “Não é hora de divisionismo nem de politicagem. O que a Paraíba precisa é de união para salvar vidas. Graças a Deus e ao povo, João Pessoa escolheu um gestor humano e consciente de sua responsabilidade”, arrematou.

Veja também:

Compartilhar