Saiba o que diz Dom Dulcênio, Bispo da Diocese de Campina Grande, sobre a suspensão de atividades religiosas

A suspensão de celebrações religiosas tem sido um dos temas mais delicados e discutidos desde o início da pandemia da Covid-19 na Paraíba e mais precisamente em Campina Grande. Neste domingo (14), o Bispo Dom Dulcênio fez duras críticas à forma como o Governo do Estado tem conduzido a questão.

O sacerdote não questionou a suspensão das atividades presenciais, imposta através de decreto, mas a falta de diálogo de diálogo. Durante uma cerimônia transmitida pela internet ele disse: “O governador sai mandando fechar as Igrejas e sequer eu fui comunicado, quanto mais chamado para uma reunião para explicar o que estava acontecendo. Não estou fazendo nenhuma queixa do fechamento. Minha questão é atenção, diálogo e respeito”.

Em Campina Grande um decreto municipal havia autorizado a realização de celebrações religiosas com até 30% de ocupação dos templos. Mas no sábado uma decisão judicial suspendeu essa autorização, atendendo um pedido do Governo da Paraíba.

“Numa véspera de domingo, onde não só a Igreja Católica, mas as Igrejas Evangélicas se preparam para suas celebrações, Missas, Cultos e Casamentos, fomos surpreendidos para que todas as Igrejas fechassem. Muito obrigado, senhor governador, pela atenção a todos os Católicos e Evangélicos de Campina Grande”, afirmou Dom Dulcênio,

Fiéis também revelaram insatisfação com a medida e na própria página da Diocese, na postagem feita para comunicar o cumprimento da determinação estadual, escreveram: “Absurdo!!! Temos que organizar algo para lutar contra essa ação. Não pede-nos aceitar esse tipo de atitude do governo e do judiciário”. “Que tristeza um juiz querer mandar na Igreja de Nosso Senhor!”. “Lamentável. Até quando seremos privados de receber os sacramentos?? Juiz nenhum manda na igreja de Cristo!!!”.

Veja também:

Compartilhar