Pessoas com comorbidades com 57 e 58 anos são vacinadas contra Covid-19 em Campina Grande

A Secretaria de Saúde de Campina Grande aplica a primeira dose da vacina contra Covid-19 em pessoas com comorbidades com idades de 57 e 58 anos, nesta sexta-feira (07). A ampliação da vacinação foi uma decisão do Comitê Municipal de Imunização, para acelerar a Campanha de vacinação contra Covid-19, no município. 

Têm direito à vacinação as pessoas com diabetes, hipertensão arterial, pneumopatias crônicas graves, insuficiência cardíaca, cardiopatia hipertensiva, hipertensão pulmonar, síndromes coronarianas, miocardiopatias e pericardiopatias, doenças da aorta, grandes vasos e físicas arteriovenosas, arritmias cardíacas, cardiopatia congênita, próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados, doença renal crônica, doença cerebrovascular, imunossuprimidos, hemoglobinopatias graves, obesidade mórbida, e cirrose hepática. A vacinação para pessoas com comorbidades já começou com gestantes e puérperas, pacientes renais crônicos e pessoas com Síndrome de Down. 

A imunização acontece no Parque do Povo para pedestres e no ginásio O Meninão, em formato drive-thru. A aplicação da vacina também pode ser realizada nas Unidades Básicas de Saúde e Centros de Saúde.

Para planejar melhor a Campanha de Imunização, a Secretaria Municipal de Saúde está realizando um cadastramento para todas as pessoas com comorbidades no site vacinacao.campinagrande.pb.gov.br.

Para ter acesso à vacinação, é necessário ter cópia de comprovante de comorbidade, declaração médica ou receita, para ser entregue à equipe, no ato do atendimento. Também é obrigatório apresentar um documento de identificação pessoal e o cartão do SUS. Não é mais necessário portar o título de eleitor, que foi exigido inicialmente para comprovar que o cidadão é de Campina Grande. 

Vacinômetro

Campina Grande recebeu, até agora, 119.998 unidades de vacina e aplicou a dose 1 em 74.311 pessoas e a dose 2 em 25.323. Com isso, o percentual de aplicação é de 82% do total de vacinas recebidas. Os dados são extraídos da plataforma SI-PNI, do Ministério da Saúde.

Com informações do ClickPB

Compartilhar