Em meio à crise no transporte público, Prefeitura de Campina Grande avisa que não vai aumentar tarifa de ônibus

A reunião entre o prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (PSD), e representantes das empresas de ônibus responsáveis pelo transporte de passageiros terminou com a promessa das partes encontrarem, nas próximas semanas, alternativas para a continuidade dos serviços. O encontro aconteceu terça-feira (11).

Dois pontos ficaram claros durante a reunião: a Prefeitura já tem ‘levado nos braços’ o setor, subsidiando com mais de R$ 1 milhão a compra de passagens, além de conceder incentivos em outros impostos. A outra é que a população não aguentaria um novo aumento nas passagens. Hoje elas já custam R$ 3,90 em dinheiro e R$ 3,75 no cartão.

Acesse: Bandidos são presos após tentativa de assalto com reféns em loja da Claro no Centro de Campina Grande

O reajuste, inclusive, foi descartado por Bruno durante a reunião. Os empresários do setor apresentaram planilhas que mostram um cenário de dificuldades, com o sumiço de usuários e alta nos custos para manter as operações.

“A Prefeitura tem feito um grande esforço na tentativa de uma solução para manter o sistema em operação e isso é visível, a exemplo de mensalmente quitar a bonificação das passagens, mas que infelizmente, a evolução da pandemia e o impacto no município com internações e sua influência na econômica local tem dificultado outras ações. E temos feito muito, haja visto que outras cidades com mais poder econômico não estão fazendo o que Campina Grande faz”, destacou o prefeito.

Já o superintendente Dunga Júnior disse que a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP) está concluindo estudos que buscam solucionar melhorias de operação do atual sistema de linhas, e que a perspectiva é de que, em 45 dias, estará implantando uma reformulação de operação das linhas da região Oeste e que terá grande impacto nos custos do serviço e atendimento à população, otimizando a operação e reduzindo os custos nos deslocamentos das frotas.

Ao final da reunião, Bruno disse que vai esperar até o dia 13 de maio para que, numa nova reunião, as empresas apresentem sugestões e propostas para análise da STTP.

Veja também:

Compartilhar