Servidores da Prefeitura de Campina Grande que receberam auxílio terão que devolver dinheiro

O procurador-geral de Campina Grande, Aécio Melo, falou nesta sexta-feira (14), sobre os 2.500 servidores do município suspeitos de receberem o auxílio emergencial de R$600 de forma irregular. O benefício criado pelo Governo Federal prioriza pessoas em situação de vulnerabilidade social em meio à pandemia da Covid-19.

Aécio destacou que a situação está sendo apurada e que o dinheiro do auxílio deve ser devolvido. Ontem [quinta-feira, dia 13] eu baixei uma portaria montando uma comissão para apurar esta situação. Todos os valores recebidos indevidamente serão devolvidos para os cofres do Governo Federal”, afirmou.

A comissão anunciada pelo procurador vai analisar o caso de cada um dos servidores para concluir se houve, ou não, má-fé no recebimento do auxílio. Quem tiver tentado burlar o programa pode também responder por fraude.

Veja também:

Compartilhar