Apontada como integrante do ‘gabinete paralelo’ de Bolsonaro, médica campinense afirma: “Não tenho nada a temer”

Apontada pela imprensa nacional como participante de uma reunião do “gabinete paralelo”, investigado pela CPI da Covid, a médica e ex-candidata a vice-prefeita de Campina Grande, Annelise Meneguesso (PSL), ainda não recebeu nenhuma notificação para prestar esclarecimento à comissão do Congresso Nacional. Mas adiantou, nesta terça-feira (8), que não tem receio da possibilidade de ser convocada.

Annelise é suplente no Conselho Federal de Medicina (CFM) e participou, em agosto do ano passado, de uma audiência pública com o movimento ‘Médicos pela Vida’, com a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O evento é interpretado por senadores da CPI como um dos encontros de um ‘gabinete paralelo’, que aconselharia a Presidência durante a pandemia.

“Eu não estava lá como conselheira do CFM. Eu estava como médica. Era uma audiência pública, pré-agendada. Se eu for convocada pela CPI, irei com maior prazer porque tenho clareza que nunca fiz nada errado. Meu inimigo é o vírus. Sempre fui defensora da vacinação”, disse.

O site de notícias UOL teve acesso a um vídeo da reunião e a um trecho da fala de Annelise. Confira:

Redação Paraíba Debate com informações do Blog Pleno Poder e UOL

Veja também:

Compartilhar