Com apenas uma vaga em jogo, eleição 2022 para o Senado deverá ser uma das mais acirradas da história da Paraíba

Embora digam que o foco agora é o combate à pandemia da Covid-19, políticos paraibanos já trabalham de olho na eleição de 2022. Enquanto o governador João Azevêdo (Cidadania) desponta como favorito por disputar a reeleição ao Governo do Estado e ainda não ter adversários definidos, a pré-campanha para o Senado Federal se intensifica com nomes de peso se movimentando.

Primeiro a se lançar oficialmente, o deputado federal Efraim Filho (Democratas) tem cerca de 100 prefeitos dos mais diversos partidos e a simpatia de quadros importantes da Paraíba, a exemplo do senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB), o deputado federal Wilson Santiago (PTB), o deputado estadual Wilson Filho (PTB) e parlamentares do Avante. Ele ainda comanda o Democratas no Estado ao lado do pai, o ex-senador Efraim Morais, e deseja ser o senador de João Azevêdo, porém não avança no eleitorado de esquerda que também acompanha o governador.

O deputado federal Aguinaldo Ribeiro (Progressistas), por sua vez, tem o apoio do prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas), do vice de Campina Grande, Lucas Ribeiro (Progressistas), e bases sólidas em Cajazeiras e Santa Rita, mas ainda está em cima do muro, pois a irmã, a senadora Daniella Ribeiro (Progressistas) faz oposição ao Governo do Estado, enquanto ele mantém bom trânsito com o governador. Se migrar para oposição terá dificuldades para compor chapa diante das pré-candidaturas de Romero Rodrigues (PSD) e Pedro Cunha Lima (PSDB) ao Governo, ambos de Campina Grande, assim com ele. A composição ficaria concentrada na Rainha da Borborema.

E de Campina Grande também surgem outras opções para o Senado: Cássio Cunha Lima (PSDB), ex-deputado, ex-prefeito, ex-governador e ex-senador afastado da política desde 2018 quando não foi reeleito para o Congresso, tem seu nome lembrado para voltar à política. Informações de bastidores indicam que ele vai entrar na briga aos 45′ do segundo tempo com o objetivo de unir a base divida entre Romero, Pedro e Daniella para o Governo. Filho do deputado federal Wellington Roberto (PL), Bruno Roberto (PL) foi lançado pelo pai. A família possui base na cidade, assim como o ex-deputado federal Walter Brito Neto, hoje filiado ao MDB, mas que deve migrar para o Patriota com a chegada do presidente Jair Bolsonaro ao partido. Ele chegou a ser pré-candidato na última eleição estadual na chapa José Maranhão (MDB), mas acabou não entrando na disputa.

Foto: Reprodução

Com mais força em João Pessoa e na Região Metropolitana, aparece o ex-prefeito Luciano Cartaxo do Partido Verde (PV). Mesmo não tendo confirmado interesse em ser candidato a senador, Cartaxo é sondado para representar a Capital paraibana numa chapa com um nome para o Governo do Estado com base em Campina Grande, unindo estrategicamente as duas maiores cidades. Ele garantiu que definirá o cargo que vai concorrer em 2022 ainda este ano.

Esta semana o ex-prefeito e ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) disse claramente que será candidato ao Senado Federal e atua para receber o apoio pelo ex-presidente Lula (PT), mas ainda não há, neste agrupamento, nome para o Governo da Paraíba. Ricardo busca atrair PT, PDT, REDE, PSOL, PCdoB e UP para uma frente de esquerda. Ele enfrenta problemas judicias com Operação Calvário, além de contas reprovadas pelo Tribunal de Contas (TCE-PB), situações que podem gerar inelegibilidade.

O ex-candidato a prefeito de João Pessoa e comunicador Nilvan Ferreira, que recentemente se filiou ao PTB para comandar o partido na Paraíba, é o preferido dos aliados de Bolsonaro no Estado e pode entrar na disputa incentivado pelo presidente nacional da sigla, Roberto Jefferson, que quer o PTB cada vez mais próximo ao presidente da República. Também por essa ala bolsonarista, se lançou para o Senado o vereador da Capital, Carlão da Consolação (Patriota). Ele recebeu 2.332 votos em 2020 e já foi dos quadros do Democracia Cristã (DC).

Em meio a tantos nomes de correntes políticas diferentes, um elemento tornará a eleição para senador ainda mais acirrada e emocionante, o fato de só ser uma vaga em jogo, hoje ocupada por Nilda Gondin (MDB), suplente de José Maranhão (MDB) que faleceu vítima da Covid-19 no mês de fevereiro. Mãe de Veneziano, Nilda adiantou que não será candidata a reeleição.

Pré-candidatos ao Senado Federal:

  • Efraim Filho (Democratas);
  • Aguinaldo Ribeiro (Progressistas);
  • Cássio Cunha Lima (PSDB);
  • Bruno Roberto (PL);
  • Walter Brito Neto (MDB);
  • Luciano Cartaxo (PV);
  • Ricardo Coutinho (PSB);
  • Nilvan Ferreira (PTB);
  • Cartão da Consolação (Patriota).

Redação Paraíba Debate

Veja também:

Compartilhar