A verdadeira identidade do homem nu que entrou na igreja evangélica de Campina Grande é revelada

Na noite de quinta-feira (22), um vídeo com imagens de um homem nu dentro de uma igreja evangélica no bairro do Jardim Paulistano de Campina Grande e caminhando numa rua, chamou a atenção de várias pessoas que tiveram conhecimento do caso publicado após a prisão dele por policiais militares. Mais do que um fato inusitado, o vídeo que felizmente não expôs a identidade do rapaz, cuja imagens foram registradas de costas, gerou muitos comentários nos grupos de WhatsApp.

A maioria dos internautas condenaram a atitude do homem ou riram-se da situação fazendo brincadeiras e especulando sobre os motivos da nudez e invasão da igreja. Alguns relacionaram o episódio ligado à intolerância religiosa, safadeza e o desafiaram a entrar num quartel de Polícia Militar, de um presídio e outros chegaram até a fazer piadas com a situação.

Em meio a repercussão do caso, um número bem menor de pessoas consideraram algumas possibilidades prováveis que poderiam ter motivado o ato, como um surto decorrente de transtorno psicológico, consumo de drogas, entre outras.

A acusação e a curiosidade em saber quem era o rapaz dominaram os comentários e se sobrepuseram à compaixão que deveria ser o sentimento predominante, revelando a verdadeira identidade do homem nu em uma metáfora bastante antiga presente na fábula da Roupa Nova do Rei: a de que as pessoas julgam e se expressam conforme o pensamento dominante da maioria. Mesmo diante possibilidades mais prováveis que justifiquem a situação, preferem acusar sem saber o que realmente aconteceu em função da sociedade da época em que todos vivem em função do senso comum padrões comportamentais medíocres que os rodeiam.

São como o rei da fábula, iludidos por embusteiros, que acham mais bonito a chacota e o julgamento apressado, como o rei da fábula que encomendou uma roupa nova que nunca existiu, eles estão nus, pelados e adeptos da tendência de seguir o pensamento do grupo sem questionar e insensíveis à dor dos outros.

Compartilhar