Onze paraibanos são resgatados em situação de trabalho escravo, em Fortaleza

Onze paraibanos foram resgatados em situação análoga à escravidão no Bairro Itaperi, periferia de Fortaleza, nesta quinta-feira (22). Os homens estavam trabalhados como vendedores ambulantes e foram encontrados em um galpão, vivendo em condições degradantes.

O resgate foi feito após uma denúncia anônima e todos os vendedores resgatados eram paraibanos das cidades de Catolé do Rocha, São Bento e Brejo Cruz, conforme apurou o Notícia Paraíba.

Os vendedores estavam alojados em condições degradantes em um galpão, também utilizado como estacionamento, onde eles não tinham fornecimento de água potável, e as instalações sanitárias eram precárias.

Além das condições precárias em que viviam, os paraibanos ainda eram induzidos a um endividamento contínuo e submetidas a longas jornadas de trabalho diariamente, sem descanso semanal.

Segundo os auditores, o empregador é da cidade de São Bento, Sertão da Paraíba, município conhecido por ter produtores de redes e tanto a contratação dos trabalhadores como a venda dos produtos eram realizadas na completa informalidade, em descumprimento às normas legais, sem registro em carteira de trabalho e sem recebimento de salário pelo trabalho feito por eles.

Após a fiscalização, as vítimas receberam, ao todo, cerca de R$ 42 mil em salários atrasados e verbas rescisórias, valor calculado pela Auditoria-Fiscal do Trabalho, baseado pelo tempo de serviço prestado ao empregador.

Além disso, foram emitidas as guias de Seguro-Desemprego Especial do Trabalhador Resgatado, pelas quais as vítimas têm direito de receber três parcelas de um salário mínimo, R$ 1.100 cada um deles.

Os paraibanos retornaram para as cidades de origem após receberem os pagamentos e serão encaminhados a órgãos de assistência social, para que possa ser feito atendimento prioritário.

Fonte: Notícia Paraíba

Compartilhar