CODECOM realiza live em homenagem a jornalistas vítimas da Covid-19 em parceria com sindicato da categoria

Vidas que se foram, projetos interrompidos, sonhos sepultados e famílias enlutadas. Para celebrar a memória dos profissionais da imprensa que se foram devido à pandemia da Covid-19, a Coordenadoria de Comunicação (CODECOM) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Paraíba (Sindjor-PB), realizam na terça-feira (23), a partir das 20h, uma live para homenagear todos os jornalistas vítimas do novo Coronavírus.

O jornalista e coordenador de Comunicação da UEPB, Hipólito Lucena, organizará a logística que permitirá a realização da live, enquanto o jornalista Júlio César, designer da CODECOM, será o responsável pela parte gráfica da iniciativa. O evento on-line será uma oportunidade para o Sindicato e a CODECOM reverenciarem a memória, a trajetória de vida e o legado dos jornalistas que tiveram suas vidas ceifadas pela Covid-19.

A homenagem póstuma está sendo preparada há vários dias, e contará com a participação de familiares dos jornalistas mortos durante a pandemia. Durante o evento, vários vídeos e fotos serão exibidos dos companheiros que partiram, além de depoimentos dos familiares que vão relatar a dor, a saudade e o desafio de tocar a vida em frente após a perda repentina e irreparável dos profissionais.

O presidente do Sindjor-PB, o jornalista Land Seixas, disse que a homenagem será uma forma singela do Sindicato reverenciar os jornalistas que partiram de forma repentina. Land lembrou que muitos dos profissionais estavam no exercício da profissão, inclusive trabalhando na cobertura do novo Coronavírus, quando foram contaminados. Ele observou que a homenagem visa reconhecer o valor desses companheiros e mostrar o quanto eles são queridos.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas observou ainda que a pandemia deixou uma lacuna impreenchível na vida das famílias que perderam os seus entes queridos, e que com essa iniciativa poderão relembrar a história e trajetória de vidas deles. O jornalista Hipólito Lucena também considerou oportuna e significativa a homenagem, e lembrou que não apenas os familiares, mas também os amigos que conviviam com os jornalistas vítimas da pandemia sentiram a dor e a saudade da perda repentina.

Dados revelados pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) apontam o Brasil como um dos 10 países com o maior índice de jornalistas vitimados pela Covid-19 no mundo. O dossiê, que apresenta dados por estado, indicou a Paraíba na 6ª colocação entre os profissionais vitimados pela pandemia, atrás dos estados de São Paulo, Amazonas, Pará, Rio de Janeiro e Paraná.

Compartilhar