Frangos mortos são jogados em canal e Prefeitura determina identificação e punição por crime ambiental

Um fato lamentável ocorreu no último domingo (28), em Campina Grande, quando uma grande quantidade de frangos mortos foi despejada no canal existente na rua Giló Guedes, mais conhecido como “Canal da Fiep”, cujas águas escoam para o Açude Velho, principal cartão postal da cidade. A prática, que configura crime ambiental, possivelmente foi realizada por motoristas que transportam essa mercadoria.

Informado sobre o ocorrido o secretário municipal de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (Sesuma), Geraldo Nobre Cavalcanti, determinou o deslocamento imediato de uma equipe ao local, para fazer a retirada dos frangos mortos e providenciar uma nova limpeza no canal. É que dias antes, a Sesuma fez uma operação no local, inclusive utilizando máquinas pesadas, um gasto alto para o município, em decorrência de fatos dessa natureza.

Possivelmente o crime ocorrido neste último domingo foi praticado à noite. A Sesuma já está requisitando, à Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP), imagens das câmeras que ficam nas imediações. Também foi feito um boletim de ocorrências, na Polícia Civil, na tentativa de identificar e punir os responsáveis pela ação. São punições com multas e sanções previstas no Código de Postura do Município.

“Isso é um absurdo. Por determinação do prefeito Bruno Cunha Lima vamos tomar todas as providências para chegarmos aos responsáveis, para que fatos dessa natureza não se repitam. O nosso Açude Velho está poluído exatamente por fatos como esse e, semanalmente, nossos trabalhadores estão fazendo limpeza no reservatório para evitar maiores consequências”, disse Geraldo Nobre.

A Prefeitura de Campina Grande investe na limpeza de canais e terrenos baldios, que são usados de forma criminosa, por uma parte da população, como depósitos de lixo de toda a espécie. “Jogam animais mortos, eletrodomésticos, camas, sofás, e outros tipos de objetos. Esse dinheiro gasto podia ser utilizado na pavimentação de ruas, novas escolas, unidades de saúde. Mas, somos obrigados a gastar com casos dessa espécie”, ressaltou o titular da Sesuma.

“Não vamos deixar barato. Vamos usar de todos os meios que dispomos para identificar e punir os responsáveis por esse crime. E faço um apelo à população para que denuncie. Temos dois telefones à disposição, que são o 3310-6115 ou 3310-6125. Não precisa se identificar. Assim estará no ajudando a coibir esses crimes”, concluiu.

Compartilhar