Vendedor ambulante atropelado por carro de lixo luta para realizar cirurgia de reconstituição de bexiga


Se você tivesse a chance de se recuperar de uma doença com a realização de uma cirurgia realizada fora do seu estado e condições para fazê-la não haveria dificuldades em seguir em frente e aproveitar a oportunidade. Mas se você não tivesse meios financeiros iria recorrer à justiça para que os entes públicos garantam seu direito previsto no Artigo 196 da Constituição Federal. Vítima de atropelamento por um caminhão de lixo há mais de 20 anos, vendedor ambulante e morador de uma ocupação de Campina Grande, Edvan Lucas de Melo, 39 anos conhece vem recorrendo à legislação para conseguir o tratamento adequado à sua situação.

É amparado na legislação que ele busca pela recuperação da sua saúde, comprometida com as sequelas do acidente da adolescência e à duras penas consegue sobreviver e manter-se de pé com sua família.

Ativo e cheio de fé, ele trava uma batalha diária para se manter vivo com uma sonda na bexiga afetada no acidente, quando ele teve a região da bacia esmagada e a quantidade de medicamentos que toma, principalmente antibióticos para evitar infecções, o que gera reações adversas em seu organismo como gastrite, dores e sangramentos.

A longa jornada que este homem de 39 anos já trilhou pontuada por 15 cirurgias, a última delas em 2020, para a retirada de um cálculo renal que surgiu em função do uso da sonda, inspira as pessoas que o conhecem e veem nele um exemplo de superação.

Mesmo com as sequelas e as dificuldades financeiras, Edvan trabalha como vendedor ambulante, desenvolve trabalho social e exerce liderança sobre várias famílias que moram próximas a ele e tem a esperança de realizar uma cirurgia de reconstituição de bexiga, que o deixaria livre do uso da sonda e consequentemente dos antibióticos.

Motivado por esta possibilidade, ele vem lutando como um Dom Quixote, para ter a chance de tentar restabelecer a função urinária, oportunidade que caso tivesse recursos, já teria aproveitado. “Sinto vontade de urinar e descobri que essa cirurgia é feita em São Paulo e muitas pessoas que usavam sonda como eu fizeram e tiveram um bom resultado”.

De acordo com Edvan, ele deu entrada na Defensoria Pública para tentar conseguir a realização da cirurgia, mas até agora não conseguiu nada. Além do procedimento não ser realizado na Paraíba, o médico que o acompanha pelo SUS, disse que o problema dele não teria jeito com a cirurgia e sem o laudo para encaminhá-lo para o atendimento fora do estado, a tentativa de chegar a São Paulo torna-se ainda mais difícil. “Ele disse que a cirurgia não resolve, mas quando sofri o acidente fiquei três anos em cima da cama e os médicos disseram que eu não iria mais andar, e estou andando. Essa cirurgia é uma tentativa, tenho esse direito porque precisamos lutar pela melhoria da nossa saúde. Se eu tivesse dinheiro poderia fazer, mas porque não tenho, não posso nem tentar?”.

Sem conseguir ser alcançado pela aplicação de uma lei federal que na teoria garante o direito à saúde a todos os brasileiros, Edvan Lucas agora está lutando para arrecadar recursos e conseguir ir até o Hospital Sírio Libanês, onde a cirurgia é realizada e poder realizar uma consulta e os exames necessários para avaliação da sua situação com vistas à cirurgia. “Eu lutei e luto muito, não vou desistir de tentar se existe uma alternativa só porque não tenho o dinheiro. Eu tenho o direito como todas as pessoas devem ter”. disse.

Para colaborar com a superação de mais uma etapa de luta de Edvaldo, quem quiser colaborar pode procura-lo através do seu telefone ou fazendo uma contribuição através de uma Vakinha criada com este objetivo.

Saiba como ajudar Edvan
ID da Vakinha: 2599408 (Edvan Lucas de Melo)PIX: 83987977090
CEF: Ag: 0041 / Op: 013 / Conta – 00528.368-5

Para falar com Edvan

WhatsApp: (83) 9-8148-2480
Ligação (83) 9-8797-7090

Compartilhar