Acusados de matar criança em ritual macabro vão a Juri Popular

Os quatro réus do caso do menino Everton Siqueira, de 5 anos, morto em um “ritual macabro” em outubro de 2015 na cidade de Sumé, na região da Borborema, vão ser julgados em júri popular. A juíza Giovanna Lisboa Araújo de Souza, responsável pelo caso, disse que um dos réus é a mãe do garoto assassinado. Após a decisão, os defensores públicos que fazem a defesa dos réus vão ser notificados e a partir da intimação começa a correr o prazo para o recurso.

Por enquanto, ainda não há previsão para a data de realização do júri dos acusados. Foram denunciados pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) a mãe da criança, o padrasto, um amigo da família e um homem apresentado como “pai de santo”. A promotoria afirma que o menino foi usado em um ritual. O crime completou um ano no dia 13 de outubro deste ano.

Everton foi achado na manhã do dia 13 de outubro por moradores com incisões e partes do corpo mutiladas. O sangue da criança foi retirado, de acordo com o resultado da perícia. Segundo o inquérito da Polícia Civil, ele foi assassinado na madrugada do dia 11 de outubro próximo a um boqueirão na Zona Rural horas após a desaparecer.

De acordo com informações do cartório da Vara Única da Comarca de Sumé, as alegações finais da promotoria e dos defensores públicos dos acusados já foram entregues. O processo agora aguarda sentença de pronúncia da juíza Giovanna Lisboa e logo em seguida os quatro vão a júri popular. Ainda não há data definida. O G1 não conseguiu contato com a defesa dos acusado.

Uma audiência de instrução foi realizada no dia 18 de maio pela juíza responsável pelo processo à época, Michelini Jatobá. Após isso, novas diligência foram feitas. Atualmente, o suposto pai de santo está preso em um presídio de Catolé do Rocha, o padrasto e o amigo da família no Complexo Prisional de Jacarapé, o PB1, e a mãe de Éverton na Penitenciária de Reeducação Feminina Maria Júlia Maranhão, ambos em João Pessoa.

Acusação

O promotor do caso até a conclusão das alegações finais do MP foi Pedro Alves da Nóbrega. Para ele, não há dúvidas que os quatro participaram da morte da criança. Eles são acusados dos crimes de morte por motivo torpe, crime cruel praticado mediante tortura, impossibilidade de defesa da vítima, ocultação e destruição de cadáver, humilhação a cadáver e associação criminosa.

Segundo ele, há provas contundentes e participação material. “Eu considero a mãe a pior que tem entre os acusados. Ela colheu o sangue do menino durante todo o ritual. A criança foi usada e morta de forma cruel. Foi um crime horroroso. A pena para eles vai ser muito alta. Perto de 30 anos para cada, dependendo da dosagem que será utilizada”, disse Pedro Alves da Nóbrega. O atual promotor é Diogo D’arolla, que preferiu não se pronunciar.

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp