Advogado lança livro sobre o impeachment de Dilma nas redes sociais

Imagem: livro / divulgação

Uma análise que demonstra como os movimentos ocorridos em junho de 2013 influenciaram o Impeachment e os discursos misóginos contra a ex-presidenta Dilma Rousseff. É o que o livro “Impeachment e Misoginia nas Redes Sociais: decodificando o conservadorismo pós 2013” é, do advogado paraibano Rafael Maracajá Antonino. A publicação foi lançada recentemente pela editora carioca Lumen Juris.

O livro retoma todo o percurso, que tem seu início com a Copa da Confederações realizada no Brasil e que, para o autor, ainda não acabou. Ganha evidência os novos movimentos contra corrupção, o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Movimento Contra Corrupção (MCC). São analisadas mais de 60 mil imagens por um método inovador, segundo o autor, que observa a relação quantitativa do engajamento em páginas e perfis virtuais com discursos que circulam na sociedade atual.

“Foi um desafio. Quatro meses de mergulho em dados, imagens, arquivos de jornais e TV, além de quase dois anos para coletar, organizar e sistematizar as informações. Mas, não foi só isto, buscamos construir uma metodologia única que pudesse comprovar o peso de postagens nas redes e a relação com eventos, fatos e momentos do mundo off-line”, destaca.

Além disso, “Impeachment e Misoginia nas Redes Sociais: decodificando o conservadorismo pós 2013” mostra como as mulheres, ainda, enfrentam a resistência na ocupação dos espaços de poder e como isto ficou evidente com uma presidenta no Palácio do Planalto.

Em linha gerais, três grandes eixos são trabalhados analiticamente no livro. O primeiro deles é a demonstração que o ano de 2013 ainda não acabou para os brasileiros. O segundo, é a correlação do Impeachment e a tentativa de convencimento da necessidade de prisão do ex-presidente Lula. Os discursos machistas e misóginos evidenciados com Dilma, mas que milhões de mulheres convivem de forma silenciosa cotidianamente.

Imagem: Rafael / divulgação

Rafael Maracajá Antonino, além de advogado militante na área previdenciária, é mestre e doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande. Atualmente tem desenvolvido estudos sobre articulação Neoconservadora nas Redes Sociais, além da compreensão de novos métodos de pesquisas relacionados à Internet.

Clique AQUI para comprar seu exemplar.

Redação PB Debate com Paraíba Mix

Veja também: “Comunidades quilombolas continuarão assistidas na Paraíba”, diz João Azevedo

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp