Câmara aprova projeto de Romero que concede bolsa para famílias de crianças com microcefalia

A Câmara Municipal de Campina Grande aprovou nesta terça-feira, 3, por unanimidade, o projeto enviado pelo prefeito Romero Rodrigues que prevê a concessão de uma bolsa para famílias de crianças da  cidade om microcefalia.

Os pais das crianças com microcefalia terão direito a um Benefício de Prestação Continuada de R$ 500,00 por mês para ajudar no orçamento familiar.

Para receber o benefício, eles precisam comprovar que moram em Campina Grande e que a renda per capta mensal não ultrapassa um salário mínimo, ou seja, R$ 937,00.

No total, 27 crianças com a Síndrome Congênita do Zika Vírus residem em Campina Grande. A bolsa será paga mesmo que os beneficiários já acumulem outro benefício da seguridade social, como ocorre na maioria dos casos das crianças com microcefalia e outros distúrbios causados pela Síndrome.

Além da bolsa mensal, as famílias vão poder requerer também o direito a uma residência no Complexo Habitacional Aluízio Campos. O projeto que autoriza o Governo Municipal doar 30 casas para as famílias já tinha sido aprovado anteriormente, virando Lei Municipal.

“Esta é só mais uma das muitas ações que realizamos desde o início de apoio a essas famílias. Essas mães na maioria das vezes não podem se ausentar um só momento dos cuidados com os seus filhos e, por isso, motivado pelo espírito solidário resolvi instituir este benefício, além da concessão das casas que já tínhamos conseguido, para melhora a vida dessas crianças especiais e dessas essas guerreiras do bem que são as mães”, disse o prefeito Romero Rodrigues.

OUTRAS AÇÕES – Campina Grande será a primeira de sete cidades do Brasil a receber também o Centro Dia, um serviço voltado para o cuidado integral às crianças com a microcefalia e suas famílias. O Centro Dia já está sendo construído na cidade e deve ser inaugurado até o fim deste mês de outubro.

A unidade vai contar com dezenove salas e amplos espaços para convivência. As atividades no espaço serão coordenadas pelas Secretarias de Assistência Social, Educação e Saúde.

A Prefeitura de Campina Grande foi a primeira a criar um serviço especializado para tratamento dessas crianças no Hospital Municipal Pedro I, que hoje funciona no Centro Especializado em Reabilitação com a mais completa estrutura para a assistência, o desenvolvimento e a reabilitação dessas crianças. Campina Grande também foi a primeira a receber os meninos e meninas com a Síndrome nas escolas públicas e todas as 27 crianças da cidade hoje já estão inseridas nas creches municipais.

Compartilhar