Congresso aprova impeachment e processo agora vai para o Senado

O pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) acaba de obter a quantidade mínima necessária de votos para sua aprovação, na noite deste domingo, 17. A aprovação não afasta Dilma imediatamente da Presidência da República. Isso só pode ocorrer após a análise do Senado, o que poderá ocorrer em maio.

Após quase dez horas de votação, o placar final da votação foi: 367 votos a favor do impeachment, 137 contra, além de 7 abstenções e 2 ausentes. Para ser aprovado na Câmara, o processo dependia do voto de no mínimo 342 dos 513 deputados, ou dois terços do total.

O processo de votação começou por volta das 17h45, e teve vantagem dos votos pró-impeachment desde o começo. Em suas declarações de voto, os parlamentares alternaram cumprimentos e homenagens à família com slogans a favor (“Tchau, querida!”) e contra (“É um golpe!”) o afastamento de Dilma. O deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) deu o voto que selou a aprovação do impeachment da presidente.

Prosseguimento
Com os votos necessários favoráveis à abertura do processo, o Senado será autorizado a julgar Dilma, mas isso só ocorrerá, porém, se metade dos 81 senadores (41 votos) acompanharem a posição dos deputados. A decisão está prevista para ocorrer em meados de maio. Caso, os senadores decidam pela abertura do processo, Dilma ficará afastada por até 180 dias à espera do julgamento; enquanto isso, o vice Michel Temer (PMDB) assumiria o cargo interinamente.

No julgamento final pelo Senado, a presidente seria definitivamente deposta caso 54 senadores (dois terços do total) votarem pelo impeachment. Nesse caso, Temer assumiria o posto até a passagem do mandato para o próximo presidente eleito da República, em 1º de janeiro de 2019.

História
Na história política brasileira, é a segunda vez que o processo de impedimento de um presidente da República recebe o aval da Câmara dos Deputados. A primeira foi em 29 de setembro de 1992, quando o então presidente Fernando Collor de Mello, do PRN, teve seu pedido de afastamento acolhido com o voto de 441 deputados (outros 38 votaram contra, um se absteve e 23 não compareceram à sessão).

Veja como ficou a votação por Estado pró impeachment

Roraima: 8 a 1
Rio Grande do Sul: 22 a 9 e uma abstenção
Santa Catarina: 14 a 2
Amapá: 3 a 4 e uma abstenção
Pará 10 a 6 e uma abstenção
Paraná: 26 a 4
Mato Grosso: 6 a 2
Mato Grosso do Sul: 5 a 3
Amazonas: 8 a 0
Rondônia: 8 a 0
Goiás: 17 a 1
Distrito Federal: 7 a 1
Acre: 4 a 4
Tocantins: 6 a 2
Mato Grosso 5 a 2
São Paulo: 57 a 13
Maranhão: 10 a 8
Ceará: 9 a 11 e uma ausência
Rio de Janeiro 34 a 12 e uma ausência
Espírito Santo: 8 a 2
Piauí: 5 a 5
Rio Grande do Norte: 7 a 1
Minas Gerais: 41 a 12
Bahia:15 a 21 e duas abstenções
Paraíba: 9 a 3
Pernambuco: 18 a 5 e uma abstenção
Sergipe: 6 a 2
Alagoas: 6 a 3

Com Uol

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp