DNOCs fecha comportas de Boqueirão e interrompe vazão de água para Acauã

Comportas de Boqueirão (Foto: Reprodução)

O Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS decidiu fechar, a partir desta quinta-feira (19), as comportas de Boqueirão, que levam água para a barragem de Acauã, abastecendo 14 municípios do Vale do Paraíba, que já estavam em colapso, de acordo com a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa). A água estava ajudando a perenizar o rio, de Boqueirão até a barragem de Acauã.

O presidente da Aesa, João Fernandes, afirmou que a medida do DNOCs é desrespeitosa e pegou o Governo do Estado de surpresa. “O açude é do governo federal, o DNOCs é o administrador, ele tem que cumprir a resolução da ANA [Agência Nacional de Águas] e da Aesa. A ANA determinou que eles deveriam seguir a orientação da Aesa da Paraíba”, falou. Ele explicou que a ANA e a Aesa editaram uma resolução determinando a liberação de até 4,8 milhões de metros cúbicos até 30 de junho.

O coordenador do DNOCs, na Paraíba, explicou que o órgão está apenas cumprindo o que diz resolução da ANA e da Aesa. Conforme Alberto Gomes Batista, a ANA e a Aesa tinham uma outorga para liberação de 4,8 milhões de metros cúbicos de Boqueirão para Acauã, e esse patamar já foi alcançado. “Como lá foi liberado 2 metros cúbicos por segundo, então antes de junho ela conseguiu atingir”, disse. Ele assegura que, hoje, o volume de água liberado supera o volume que foi outorgado, chegando a 5,3 milhões de metros cúbicos às 16h desta quinta-feira (19).

“Infelizmente o DNOCs não disse oficialmente quanto já liberou, as planilhas e me disse agora que vai fechar hoje à tarde”, contestou o presidente da Aesa, João Fernandes.

João Fernandes informou que vai pedir novamente, com urgência, à ANA uma nova resolução conjunta para determinar a vasão ecológica do rio, para mantê-lo vivo. “Porque nós não podemos matar os nossos rios”, alertou.

Ele comentou que após pouco mais de um mês, a Aesa faria um novo balanço, pois quando houve a autorização, o Boqueirão tinha apenas 42 milhões de metros cúbicos, portanto não era possível pedir a liberação de mais de 4,8 milhões de metros cúbicos. “Boqueirão hoje tem mais de 130 milhões de metros cúbicos”, declarou.

Da Redação Paraíba Debate com Click PB

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp