Geraldo Alckmin rebate críticas sobre repasse de bombas à Paraíba e diz que atitude não é jogada política

A vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) participou, nesta segunda-feira (26), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, da solenidade de assinatura do termo de cessão de uso não onerosa de bombas que vão viabilizar a antecipação da chegada da água do Projeto de Integração do Rio São Francisco aos estados da Paraíba e de Pernambuco. O documento foi assinado pelo ministro da Integração Nacional Helder Barbalho e pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

Diante dessa ajuda, vários boatos surgiram sobre uma possível jogada política entre Alckmin e o governador Ricardo Coutinho (PSB) para que o socialista chancelasse a ida do tucano ao PSB. O fato é que o governador de São Paulo rebateu essa tese de condicionamento e revelou que as unidades federativas devem se ajudar, assim como municípios e o Governo Federal já que a seca é um grave problema.

“Só quem não passou por uma, não sabe o sofrimento do que é a seca. Sabemos bem o que é isso. Trabalhamos muito em São Paulo para superá-la e adquirimos uma expertise nesse setor com novas tecnologias e novos equipamentos. Não tem relação com a política. Se o governador fosse do PT, do PP ou do PSDB nós ajudaríamos da mesma forma. O Brasil é república federativa e é uma obrigação dos entes federados ajudar uns aos outros a superarem suas dificuldades. Não há relação com a questão eleitoral porque não há eleição a curto prazo. Ficamos felizes e nos colocamos a disposição para também ajudar na operação do sistema”, destacou o tucano.

O equipamento cedido consiste em quatro conjuntos de bombas flutuantes, cada um com capacidade de bombear até 2.000 litros de água bruta por segundo, e será levado ao canteiro de obras do Projeto São Francisco, em Floresta (PE) para ser instalado dentro do reservatório de Braúnas, onde as bombas vão elevar as águas do São Francisco para abastecer o próximo reservatório, de Mandantes, no mesmo município. A previsão é de que esse procedimento acelere o caminho da água e encurte em até 30 dias a chegada das águas ao município de Monteiro, primeira cidade paraibana a ser beneficiada. De Monteiro, as águas seguirão pelo rio Paraíba até Campina Grande (PB).

De acordo com a Sabesp, a cessão do equipamento e demais materiais necessários para sua instalação, orçados em R$ 8,26 milhões, será pelo período mínimo de 120 dias, com possibilidade de prorrogação. Não terá qualquer custo aos beneficiados. A Sabesp prestará ainda o apoio técnico necessário para a instalação e a operação das bombas. Além dos quatro conjuntos de bombas flutuantes, cada um com dois motores e potência combinada de 350 cv, a Sabesp vai fornecer a estrutura necessária para sua operação, o que inclui dois conjuntos de motores como reserva, bem como 1.800 metros de tubulação para o transporte da água captada, 1.360 metros de cabos elétricos, inversores de frequência e disjuntores, além de outros itens.

Redação com Secom/PB

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp