Governo promete processar hospital que se negou a realizar cirurgia de aposentado

Foto: Reprodução

O secretário de Comunicação Institucional da Paraíba, Luís Tôrres, rebateu as informações de que o estado teria descumprido decisão da Justiça para realizar a cirurgia do aposentados João Batista que veio a óbito na madrugada por conta de complicações em seu estado de saúde.

De acordo com o secretário,  o empenho do valor foi feito em setembro do ano para o  Instituto Neuro Cardiovascular (Incor) de Campina Grande realizar o procedimento.

“Onde está a responsabilidade do Incor nesse processo todo? Por que a exploração jogada tão somente nas costas do Estado? A Secretaria de Saúde não gerencia essa clínica. O governo tomou todas as medidas legais e providências, garantindo e assegurando os instrumentos jurídicos para que a clínica tivesse a garantia que receberia o dinheiro empenhado pelo Estado. Ao longo dos anos, o governo sempre pagou o que devia e repassou os valores empenhados, mesmo com algumas demoras e não tinha histórico de calote, ou algo que justificasse desconfiança. Eles tinham certeza que receberiam a quantia pela cirurgia e a pergunta que fica é: por que o INCOR não fez a cirurgia, mesmo tendo a garantia que receberia os R$ 23 mil?”, questionou.

Luís Tôrres também disse que o Governo do Estado irá processar a clínica, pela não realização da cirurgia do aposentado. O secretário relatou que o Estado deu garantias, após a decisão judicial, que o Incor era credor do Governo.

“O Governo do Estado vai processar o Incor pela não realização da cirurgia do paciente que chegou a falecer, lamentavelmente, com base na garantia que o estado deu a partir da decisão judicial, os instrumentos que o estado providenciou a partir da decisão judicial para que o Incor pudesse estar oficialmente registrado como credor do estado em função da realização da cirurgia, ou seja o governo do estado tomou todas as providências para assegurar que o Incor tivesse toda convicção e certeza e formalidade de que era credor do estado em relação a esta cirurgia, mesmo assim o Incor que recusou-se a fazer”, assegurou.

O Incor alegou que não realizou a cirurgia, pois o estado devia vários procedimentos à clínica.

A angioplastia de João Batista, enterrado na manhã de hoje em Bayeux, custava R$ 23 mil.

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp