Inquérito que investiga senador paraibano no caso do “dinheiro voador” é movimentado no STF; episódio completou 10 anos

Ocorrido em 2006, ou seja, há mais de uma década, o caso do dinheiro voador, também conhecido como Caso Concorde, que investiga o senador paraibano e ex-governador do Estado, Cássio Cunha Lima (PSDB), apresentou uma movimentação ontem, segunda-feira (05), no Supremo Tribunal Federal.

O processo tem como relatora a ministra Rosa Weber, que no dia 3 de dezembro de 2012 pediu providências ao juiz Sergio Moro, o mesmo que hoje conduz a Lava Jato.

A Operação Concorde, da Polícia Federal, apurou esquemas de desvios de recursos e lavagem de dinheiro na campanha eleitoral do PSDB da Paraíba em 2006.

A operação se tornou lendária em João Pessoa (PB), porque literalmente choveu dinheiro na capital paraibana. Para não ser pego em flagrante pela PF, um operador da política local teria jogado R$ 400 mil do alto do edifício Concorde, o que deu nome ao caso.


Em 2015 o presidente do PT da Paraíba, Charliton Machado, encaminhou ao STF um pedido para dar celeridade ao processo. A atitude do petista obteve repercussão nacional, já que mostrou que o processo estava na gaveta do Juiz Sérgio Moro há algum tempo, e não tinha movimentação alguma.

Relembre

Presidente do PT da Paraíba pede celeridade ao STF para que o Escândalo do Dinheiro Voador não caia no esquecimento

O presidente do PT da Paraíba, Charliton Machado, protocolou nesta terça-feira (14/07/2015) um pedido formal a Procuradoria Geral da República pedindo celeridade do Supremo Tribunal Federal (STF) na análise do inquérito que investiga o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) por desvios de recursos e lavagem de dinheiro na campanha eleitoral de 2006 e compra de votos.

Machado disse em entrevista à “TV Master” que tomou essa iniciativa para evitar que o inquérito contra o senador paraibano caia no esquecimento, assim como ocorreu com o caso do ‘Mensalão Mineiro’, esquema de lavagem de dinheiro, que ocorreu na campanha para a reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas Gerais, em 1998.

O processo, parado há mais de dois anos, é investigado pelo juiz Sérgio Moro, o mesmo responsável pela Operação Lava Jato. O caso conhecido como “Escândalo do Dinheiro Voador” ou Caso Concord ganhou repercussão após uma operação de fiscais da Justiça Eleitoral da Paraíba e da Polícia Federal terem provocado uma chuva de dinheiro em João Pessoa.

O empresário Olavo Lira, conhecido como Olavinho, para não ser pego em flagrante pelos agentes federais, teria jogado R$ 400 mil do alto do edifício Concord, na capital paraibana. Foi encontrada, também, uma caixa contendo várias contas de água e energia elétrica quitadas, títulos eleitorais, camisetas amarelas, além de vários maços de cédulas de R$ 50,00, totalizando R$ 304 mil.

No fim de 2012, a ministra Rosa Weber decretou a quebra do sigilo bancário do senador Cássio Cunha Lima e do empresário Olavinho. Segundo um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras do MPF, eles teriam realizado várias movimentações financeiras tidas como atípicas naquele ano.

Redação com PB Agora

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp