Mãe acusa PM de agredir filho com transtornos mentais durante ocorrência no Sertão paraibano

A senhora Maria de Lourdes Macena da Silva, residente no Bairro Novo Horizonte, em Patos, no Sertão paraibano, buscou a imprensa e os meios legais para denunciar que o filho dela, Arivaldo Rosas de Lima Júnior, 26 anos, foi agredido durante ocorrência atendida por uma guarnição do 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM). O fato teria ocorrido por volta das 01h20 da manhã na última sexta-feira, dia 13.

De acordo com relatos de Maria de Lourdes, o filho dela, que tem problemas com a saúde mental, chegou na lanchonete Zeca Lanches e pediu uma cerveja. O atendente esclareceu que não vendia cerveja e Arivaldo então pediu um pastel, porém, o funcionário não despachou alegando que iam fechar o estabelecimento. Arivaldo disse que estava sendo discriminado e então começou uma situação mais tensa e foi acionada a Polícia Militar através do 190.

Uma guarnição chegou e conteve Arivaldo. Ele foi algemado e colocado na viatura da Polícia Militar. A senhora Maria de Lourdes e o próprio Arivaldo acusam a guarnição, pelo policial “Araújo”, de ter usado de violência excessiva. Arivaldo teria sido sufocado por um golpe conhecido por gravata e ficou desacordado. A guarnição ainda é acusada de ter feito manobras bruscas que teria provocado hematomas e escoriações no corpo do detido.

Maria de Lourdes registrou denúncia junto da Ouvidoria da Polícia Militar em Patos, pegou documento de atendimento do filho no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), mostrando que Arivaldo tem problemas metais. Também foi registrado um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia Civil. O delegado solicitou exame de corpo de delito no Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (NUMOL).

A reportagem fez contato com o Policial Militar acusado de agressão. De forma tranquila, o policial, que também é motorista na viatura, disse que não houve excesso na ocorrência e que o comandante da guarnição pode dar relatos de como transcorreu. Ele disse que se a agressão tivesse sido feita, o próprio delegado plantonista teria pedido exame de corpo de delito no momento da entrega na delegacia.

O comandante do 3º BPM, Tenente-Coronel Elder, informou que os procedimentos para apurar a denúncia da senhora Maria de Lourdes Macena da Silva já foram adotados.

Redação com Patos Online

Veja também:

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp