Maranhão deixa comissão do impeachment e Lira diz que adota postura de imparcialidade

A Comissão Especial do Impeachment no Senado Federal não contará mais com os três paraibanos. É que o senador José Maranhão desistiu de participar. O senador reconsiderou a decisão de participar do colegiado porque pretende atuar exclusivamente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), da qual é presidente.

Agora só os paraibanos Cássio Cunha Lima e Raimundo Lira seguem analisando o processo.

No lugar de José Maranhão entra Dário Berger (PMDB-SC).

Já Lira, que foi escolhido para presidir a Comissão Especial do Impeachment no Senado Federal e que já havia manifestado seu posicionamento, antes de ser indicado, pelo afastamento da presidente Dilma (PT), disse que a partir de agora sua postura é de neutralidade e de imparcialidade.

Antes de ser indicado, Lira já havia se manifestado pró-impeachment, todavia, na atual postura de “magistrado”, ao afirmar ainda não ter certeza sobre a culpa ou não da presidente no crime de respondabilidade.

“Agora, na condição de presidente da Comissão eu tenho que ter uma postura de total isenção, não posso ter nenhum tipo de postura que não seja de isenção para presidir, mantendo direito de defesa, direito de acusação, de fala, de contraditório, minha função é manter a paz, a tranquilidade e a eficiência, tenho que ter isenção total e imparcialidade total”, disse.

O parlamentar paraibano disse que conta com uma equipe de especialistas no direito constitucional e no trâmite do processo que é de alto nível e cuidará para concluir todo o processo com celeridade.

“Para comandar uma comissão dessa importância, que trata do afastamento do presidente de um país, ela tem que ser tratada com muita seriedade, com muita energia, já que serão expressas emoções fortes e um contraditório forte e, portanto teremos que ter a isenção e a tranquilidade e assim fazer um trabalho que atende ás expectativas do povo brasileiro”, ressaltou.

Lira assegurou que hoje, na qualidade de presidente da comissão, tem uma posição nova. “A minha posição não é contra, nem a favor, nem indeciso, mas sim isenção total do assunto que está sendo discutido, pois eu só tenho condições de exercer, com imparcialidade que é exigida pela função, se eu me mantiver isento Não posso de maneira nenhuma manifestar meu status de voto nesse momento”, disse.

O senador Cássio e o senador José Maranhão já se manifestaram favoráveis ao afastamento da petista.

Fonte: PBagora

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp