Médico Cláudio Gomes, suspeito do assassinato do colega Artur Eugênio, foi cassado AGORA

Imagem: Arquivo DP

O médico Cláudio Amaro Gomes, acusado de ser o mandante do assassinato do também médico Artur Eugênio de Azevedo em maio de 2014, teve se registro profissional cassado pelo Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) nesta quarta-feira (18). O acórdão foi publicado no Diário Oficial ainda nesta quarta.

Ele foi julgado desde as 9h, na sede da entidade, no Espinheiro, na cidade do Recife (PE). Foram analisadas supostas faltas éticas do acusado, o assédio moral e a perseguição a Artur Eugênio durante o exercício da profissão no tempo em que os dois trabalharam juntos.

Uma das denúncias é de que o médico usaria uma cola de qualidade inferior nos pacientes. As partes que se sentirem prejudicadas recorrerão ao Conselho Federal de Medicina 30 dias após a publicação.

Cláudio Amaro foi um de dois dos cinco acusados de matar o médico campinense Artur Eugênio Pereira, que morava com a esposa e os filhos em Recife. Ele foi a júri popular em setembro de 2016, no Fórum de Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife, e foi condenado a 34 anos e quatro meses de prisão.

Lyferson Barbosa da Silva foi condenado a 26 anos e quatro meses de reclusão. Após as sentenças, as defesas informaram que pretendem recorrer da decisão. O médico Artur Eugênio foi morto em 12 de maio de 2014, em Jaboatão.

Além de Cláudio Júnior e Lyferson, são acusados de envolvimento no homicídio o médico Cláudio Amaro Gomes, pai de Cláudio Júnior, apontado como mandante do crime, e Jailson Duarte. O quinto envolvido, Flávio Braz, morreu em tiroteio com a polícia, em 2015.

Valdívia Costa do PB Debate com Paraíba Online e Diário de Pernambuco

Veja também: Vídeo: Homem agride a mãe violentamente no meio da rua em Baraúna

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp