Por ser chamado de ladrão deputado paraibano processa outro

O deputado Lindolfo Pires (DEM) vai ter que se explicar na Justiça sobre as declarações que fez na imprensa, chamando o deputado Renato Gadelha (PSC) de ladrão, no caso das camas que foram cedidas para a Upa de Sousa. As declarações de Lindolfo foram veiculadas pelos portais do Sertão paraibano.

O parlamentar já entrou com uma queixa crime no Tribunal de Justiça, pedindo a condenação de Lindolfo por crime de calúnia (artigo 138 do Código Penal). Ele alega que a declaração caluniosa viralizou nas redes sociais “causando profundo dano na imagem, reputação e honra do querelante”.

Ainda de acordo com Renato Gadelha, “tais declarações, falsas e públicas” atingiram seriamente sua honra, no sentido de fustigar sua conduta proba, o que o autoriza a buscar, por meio do Poder Judiciário, as reparações legais e devidas ante esse ato injusto, típico, ilícito e plenamente punível”.

Consta na denúncia que em 17 de setembro, foi publicada uma reportagem no portal de DIÁRIO DO SERTÃO, com a seguinte manchete: Lindolfo Pires fala das perseguições em Sousa, detona governo de André e chama deputado da oposição de ladrão. A matéria destaca uma afirmação de Lindolfo dizendo que Renato Gadelha roubou as camas da Upa.

Renato afirma que já foi inocentado pela Justiça sobre o caso, não podendo ser acusado falsamente de um crime que não cometeu.

“A conduta dolosa do agente é inconteste, logo de plano, pois o fato instigado já foi analisado previamente pelo Poder Judiciário e arquivado, assim como o Querelante foi a público exaustivamente conceder explicações sobre o tema, não deixando dúvida alguma sobre a situação e sua inocência patente. A instrução criminal também será deveras útil a provar precisamente a conduta deliberada em caluniar do Querelado”, diz a denúncia.

Redação com os Guedes

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp