Prefeituras paraibanas deixam 30 mil servidores sem salários

Cerca de 50 prefeituras da Paraíba atrasaram entre um e três meses o pagamento da folha de pessoal, deixando aproximadamente 30 mil servidores públicos sem salários. A denúncia é da Federação dos Servidores Públicos Municipais no Estado da Paraíba (Fespem-PB) e sindicatos, que se mobilizam com greves e ações na Justiça, pedindo o bloqueio das contas das prefeituras e, por conseguinte, a destinação dos recursos para a atualização dos vencimentos do funcionalismo.

Em Brejo dos Santos, no Sertão, o prefeito Luiz Vieira demitiu 54 contratados que estavam com os salários atrasados há três meses, mas ainda não quitou os vencimentos. Em entrevista à imprensa, o gestor culpou a crise econômica pelo atraso. “A gente vinha pagando em dia, mas com a queda no FPM (Fundo de Participação dos Municípios) contratados e comissionados ficaram com alguns meses sem receber dinheiro. Se a gente continuasse com essa quantidade de funcionários, iria fazer uma bola de neve. Funcionário que hoje estava com três meses atrasados, passaria a cinco, seis, oito meses e a gente nunca ia conseguir resolver esse problema”, explicou Vieira. Os demitidos denunciaram o caso ao Ministério Público e ao Poder Judiciário e esperam que haja bloqueio das contas da prefeitura da cidade.

Ainda no Sertão, dirigentes do sindicato dos servidores públicos acamparam em frente à Prefeitura Municipal de Igaracy para cobrar da prefeita Deusaleide Leite o pagamento dos vencimentos em atraso da categoria. Em Jericó, servidores também esperam pelos salários. Em Cajazeirinhas, os professores do município publicaram em redes sociais notas de desabafo e repúdio, principalmente em relação aos constantes atrasos no pagamento dos seus vencimentos.

Jornal da Paraíba

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp