Projeto pioneiro no país é implantando na cadeia de Pocinhos

A cadeia pública da cidade de Pocinhos sediou, na tarde dessa sexta-feira (06), o primeiro encontro do projeto “Abrindo a mente para a liberdade”, idealizado pela defensora pública da cidade de Pocinhos, Monaliza Maelly Fernandes Montinegro, que visa a remição da pena através da leitura.

O projeto, que acontece através de parceria da Defensoria Pública do Estado da Paraíba e alguns setores da sociedade, abrangerá reeducandos dos regimes fechado, semiaberto e aberto e contará com algumas ações paralelas, como acompanhamento psicológico, social, de coleta de dados, dentre outras.

A cada encontro, que acontece um vez por mês, os reeducandos terão acesso a atividades de lazer, como música, poesia, cinema, dentre outras atividades, além de palestras motivacionais e acompanhamento espiritual, sendo obedecida a religião e particularidades de cada detento.

“Enquanto houverem presídios, cadeias, nós precisamos estar lá levando conhecimento e esperança aos reeducandos. Mas, além disso, precisamos mostrar para a sociedade que a violência é um problema social e não uma questão de segurança pública. Com o Projeto Abrindo a Mente para a Liberdade, a Defensoria Pública encontrou parceiros na busca desse ideial. Nossa equipe conta, hoje, com artistas, estudantes de psicologia, um professor mestre em letras e uma socióloga. Além disso, recebe apoio da prefeitura municipal de Pocinhos, do diretor da Cadeia e da pastoral carcerária. Estaremos desenvolvendo um projeto cultural dentro da Cadeia que promete transformar vidas através da leitura, da arte e da música . Também ofertaremos assistência psicológica ao reeducandos e paralelamente estaremos desenvolvendo uma pesquisa que nos dará sustentação para fazer um trabalho de conscientização junto à sociedade a respeito das causas da crescente violência em nosso país”, comentou Monaliza Montinegro, defensora e idealizadora do projeto.

Tiago Monteiro, agente cultural e parceiro do projeto, também falou da importância do mesmo. “Estamos muito felizes em ter a oportunidade de participar de um projeta dessa natureza. Fico muito feliz pela receptividade dos reeducandos e pelo interesse que os mesmos têm mostrado pelo projeto. Agradeço a Monaliza pelo convite e esperamos que esse projeto nos traga bons frutos”, salientou.

Os encontros acontecerão uma vez por mês, sempre na primeira sexta.

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp