Servidores da Cagepa reafirmam compromisso de acatar propostas de RC e garantir a não privatização

Foto: Reprodução

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB), sindicato dos urbanitários, também se pronunciou a favor da não privatização da Companhia de Águas e Esgotos da Paraíba (Cagepa), concordando com a decisão anunciada, nesta terça-feira (04), pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) em manter a empresa como estatal. A venda da empresa estava sendo pautada pelo Estado desde o pronunciamento do presidente Michel Temer (PMDB) direcionando os estados a privatizarem seus órgãos públicos que oferecem serviços de energia, água e saneamento básico.

Segundo o presidente do sindicado dos urbanitários, Wilton Maia, a decisão de acatar as propostas de Ricardo foi a decisão da maioria dos servidores da Cagepa. “Nós tivemos uma reunião com o governador e entendemos que os pontos apresentados por ele eram realmente a melhor maneira de não privatizar a empresa. Concordamos não somente para manter nosso empregos, porque a empresa que comprasse teria que pagar nossos direitos, mas sim por entender que o saneamento básico está ligado diretamente com a saúde pública e queremos continuar contribuindo com a Paraíba”.

Sobre as propostas aprovadas o presidente explicou que todas são medidas para que a Cagepa continue em superávit. “Foram ao todas seis propostas feitas pelo governador, que são: o congelamento da data base, que é em maio, por um ano; o congelamento do reajuste dos tickets alimentação, por um ano também, mas ele concederá o reajuste para os servidores que tem baixo salário, de acordo com a inflação do período;  o congelamento do plano de cargos e carreias por dois anos, de todas as promoções e gratificações, mas tudo foi aceitos por uma maioria absoluta da categoria”. Além da retirada de dois processos no TRT e TST, que dizem respeito a demissão dos funcionários acima de 75 anos e a retirada da incorporação do ticket alimentação ao salário.

Wilton destacou também que com a privatização muitos paraibanos iam sofrer aumento nas contas de água. “Aproximadamente um milhão de paraibanos pagam a tarifa social, que é de R$11,56 e nós nos sensibilizamos, porque somos trabalhadores, mas também consumidores. Outra questão é a necessidade de melhoria dos serviços e Ricardo se comprometeu em melhorar os serviços e nós trabalhadores estamos a fim de fazer isso”.O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB), sindicato dos urbanitários, também se pronunciou a favor da não privatização da Companhia de Águas e Esgotos da Paraíba (Cagepa), concordando com a decisão do governador Ricardo Coutinho (PSB) de manter a empresa como estatal. A venda da empresa estava sendo pautada pelo Estado desde o pronunciamento do presidente Michel Temer direcionando os estados a privatizarem seus órgãos públicos que oferecem serviços de energia, água e saneamento básico.

Segundo o presidente do sindicado dos urbanitários, Wilton Maia, a decisão de acatar as propostas de Ricardo foi a decisão da maioria dos servidores da Cagepa. “Nós tivemos uma reunião com o governador e entendemos que os pontos apresentados por ele eram realmente a melhor maneira de não privatizar a empresa. Concordamos não somente para manter nosso empregos, porque a empresa que comprasse teria que pagar nossos direitos, mas sim por entender que o saneamento básico está ligado diretamente com a saúde pública e queremos continuar contribuindo com a Paraíba”.

Sobre as propostas aprovadas o presidente explicou que todas são medidas para que a Cagepa continue em superávit. “Foram ao todas seis propostas feitas pelo governador, que são: o congelamento da data base, que é em maio, por um ano; o congelamento do reajuste dos tickets alimentação, por um ano também, mas ele concederá o reajuste para os servidores que tem baixo salário, de acordo com a inflação do período;  o congelamento do plano de cargos e carreias por dois anos, de todas as promoções e gratificações, mas tudo foi aceitos por uma maioria absoluta da categoria”. Além da retirada de dois processos no TRT e TST, que dizem respeito a demissão dos funcionários acima de 75 anos e a retirada da incorporação do ticket alimentação ao salário.

Wilton destacou também que com a privatização muitos paraibanos iam sofrer aumento nas contas de água. “Aproximadamente um milhão de paraibanos pagam a tarifa social, que é de R$11,56 e nós nos sensibilizamos, porque não somos só trabalhadores, mas também consumidores. Outra questão é a necessidade de melhoria dos serviços e Ricardo se comprometeu em melhorar os serviços e nós trabalhadores estamos a fim de fazer isso”.

Redação com Blog do Gordinho

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp