Vereador campinense: Existe insegurança para se prestar serviço à Prefeitura

O vereador Napoleão Maracajá (PCdoB) reclama da demora da Prefeitura de Campina Grande enviar para a Câmara Municipal a proposta de adequação do novo salário mínimo dos servidores da Casa Félix Araújo.

Ele disse que isso evidencia a “falta de organização do Poder Executivo”.

– A data base do salário mínimo é no dia 1º de janeiro, portanto os trabalhadores que recebem o mínimo devem receber o reajuste. Há um inchaço muito grande na folha porque a gestão municipal transformou a Prefeitura em um grande cabide de emprego e isto é o que leva a essa desorganização e instabilidade – disse.

Maracajá ressaltou que o projeto de reajuste pode ser votado em caráter de urgência, mas a convocação para reunião extraordinária que recebeu foi para a votação do relatório da CPI.

– É um projeto simples e tem como ser votado no mesmo dia que for encaminhado à Câmara. Não carece discussão e não pode fazer alterações porque o reajuste é determinado pela União para todos os estados e municípios – explicou.

O vereador revelou que tem sido procurado por prestadores de serviços e fornecedores que se queixam da falta de pagamento. Ele disse que há uma instabilidade e insegurança para se prestar serviço à Prefeitura. Para ele, a PMCG não tem credibilidade e ainda não pagou artistas que se apresentaram no Maior São João do Mundo.

Disse também que os professores estão com medo de que não haja o reajuste estabelecido pelo Governo Federal e garantiu que eles não irão abrir mão do direito.

*As informações repercutiram na Rádio Campina FM

FONTE: Da Redação*

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp