Xeque-Mate: sete cartas renúncias de vereadores feitas em janeiro de 2017 são entregues à investigação

Imagem: vereadores de Cabedelo

Um dos vereadores presos na Operação Xeque-Mate, Tércio de Figueiredo Dornelas Filho (PSL), revelou nesta sexta-feira (20), que ele e mais seis vereadores teriam assinado cartas renúncias dos cargos no dia da posse, em janeiro de 2017. O fato foi revelado pela rádio Correio FM, onde foi informado os nomes dos assinantes das cartas.

O presidente da Câmara de Vereadores, já preso pela Operação, José Lúcio e os vereadores Delmiro Mamede, Josué Pessoa, Antônio Moacir, o líder da oposição José Eudes, e a filha do ex-prefeito de Cabedelo Zé Regis, a vereadora Fabiana Régis (PDT), que está pedindo novas eleições, pediram renúncia.

O que se questiona agora é o que a Polícia Federal pode concluir com essa informação e por que houve esse fato antes de se deflagrar uma operação policial. A Polícia Federal a Operação na terça-feira (3) e busca desarticular um esquema de corrupção que acontecia dentro da administração pública do município.

O prefeito de Cabedelo, Leto Viana, o vice Flávio de Oliveira e o presidente da Câmara Municipal, Professor Lúcio José – todos do PRP –, foram presos nesta manhã. Além deles, outros quatro vereadores também foram levados à cadeia pela Operação Xeque-Mate.

Redação PB Debate com Correio da PB e Último Segundo

Veja também: Romero sobre saída de Eliza Virgínia do PSDB para o PP: “O sonho dela se tornou possível por causa do partido”

 

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp