ACOMPANHE NOSSAS REDES

Cidades

Bombeiros fazem alerta sobre corrente de retorno em praias paraibanas

Mais de 30 pessoas se afogaram e precisaram ser resgatadas do mar em praias da Paraíba nos primeiros meses de 2022. Coqueirinho, no município de Conde, Região Metropolitana de João Pessoa, é a praia com maior número de ocorrências. Tambaba (Conde), Praia Bela (Pitimbu) e Gramame Sul (Conde) também são áreas de risco para afogamentos.

Ao Portal Correio, o tenente Evandro Ataíde, do Corpo de Bombeiros, explica que essas praias possuem mar bastante agitado e com fortes ondas. Além disso, as águas delas ficam fundas para banho a uma distância muito curta da faixa de areia.

A Praia de Coqueirinho tem ainda outro fator de risco: a corrente de retorno. O trecho é perigoso porque os movimentos transversais da água podem carregar uma pessoa para longe da costa em pouquíssimo tempo. Em Coqueirinho, a corrente de retorno é fixa, situada à esquerda das pedras, e seus movimentos podem atingir velocidade de até 3 metros por segundo. Outra corrente de retorno fixa existente no litoral paraibano é a do dique de Cabedelo.

Via de regra, uma corrente de retorno pode ser identificada pela coloração da água, que costuma se diferenciar do restante da praia nas correntes de retorno. Outro sinal é a menor frequência ou ausência de quebras de ondas, além da presença de barreira natural ou antrópica, como arrecife, pier, quebra-mar, gabião ou ancoradouro.

As áreas de risco costumam ser sinalizadas, mas o Corpo de Bombeiros alerta para a importância de buscar informações sobre o local que irá frequentar. De preferência, procure praias com presença de guarda-vidas e questione aos profissionais as particularidades da área.

Na Paraíba, pelo menos 10 postos de guarda-vidas são ativados todos os fins de semana. Em épocas em que o movimento nas praias se intensifica, como no Carnaval, esse número pode chegar a 40.

“Nossos postos podem ser vistos de qualquer local da praia para que qualquer banhista identifique nossos guarda-vidas. Os profissionais também são orientados a fazer rondas com frequência, para orientar e tirar dúvidas da população”, diz o tenente Evandro Ataíde.

Fonte: Portal Correio

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados.