Defendendo a liberdade religiosa, conservadores organizam “Marcha da Família” em Campina Grande

Foto: Diga Comunicação/AD Brás CG

Conservadores de todo o país promovem no próximo dia 11 de abril, a “Marcha da Família Cristã pela Liberdade”, o evento tem o apoio de 51 entidades no Brasil e será realizada em 17 Capitais e em Campina Grande, única cidade do interior a realizar o evento.

A iniciativa é uma releitura do evento popular que marcou a história do Brasil na década de 60 com nome parecido: “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”. O lema é baseado nas três palavras: “Deus, Família e Liberdade”.

O movimento teve início no ano de 1964 e congregou segmentos da classe média temerosos com o avanço do comunismo. A “Marcha” está prevista para acontece também em outros cinco países, incluindo Israel, Estados Unidos, Alemanha e Portugal.

Segundo os organizadores, o retorno das marchas justifica-se diante do iminente perigo a liberdade e a democracia do país, com sucessivos e irresponsáveis lockdowns, impostos por governadores e prefeitos e fechamentos de templos religiosos em meio à pandemia da Covid-19.

CAMPINA GRANDE

A marcha está prevista para acontecer na Zona Oeste da cidade, em formato de carreata. Segundo o advogado Mércio Franklin, a mobilização irá obedecer todos os protocolos sanitários. Ele informou que no movimento não haverá espaço para setores radicais ou de viés político-partidário. 

Imagem: Divulgação

“A Marcha da Família Cristã pela Liberdade, tem por objetivo e foco, dentre outros, a liberdade de culto religioso, assim como a liberdade econômica, bem como a reunião e união de toda iniciativa privada para buscarmos as medidas jurídicas e administrativas, necessárias ao bom andamento da atividade econômica e atividade cristã, sem a indevida intervenção estatal”, declarou.

A concentração da carreata será na Rua das Umburanas (em frente à Igreja Católica), a partir das 10 horas, com percurso previsto nos bairros: Malvinas, Cinza, Rocha Cavalcante, Av. Floriano Peixoto, Bodocongó, Severino Cabral, Conjunto Mariz e Ramadinha.

MAIS UM ATO

No final da tarde do dia 23 de março, uma terça-feira, evangélicos de Campina Grande promoveram uma carreata contra as medidas mais duras contra a Covid-19 impostas por meio de decretos. O ato foi programado pelas redes sociais e tinha como nome “A Igreja é Essencial”, em resposta ao fechamento dos templos.

A concentração da carreata aconteceu na Praça do Trabalho, no bairro de São José. Em seguida, o grupo passou pelas principais vias da cidade para chamar atenção da população e das autoridades.

O novo decreto estadual publicado no começo da semana determina que Igrejas possam funcionar com 30% da capacidade de público, obedecendo ainda protocolos preventivos. A Prefeitura de Campina Grande também publicou normas disciplinando as atividades religiosas presenciais no município.

Veja também:

Compartilhar