LUTO NA MÚSICA: Morre em Campina, João Gonçalves, o compositor de Severina Xique-Xique e Rei do Duplo Sentido

O rei do duplo sentido, o cantor e compositor João Gonçalves, morreu na madrugada nesta segunda-feira (21) em Campina Grande, com infarto aos 85 anos. Autor da música Severina Xique-Xique, conhecida na voz de Genival Lacerda, que junto com Pescaria em Boqueirão teve grande repercussão nacional. João gravou mais de mil e vários álbuns, 12 discos de vinil e 4 CDs. Por causa de algumas músicas chegou a ser censurado pela ditadura militar.

Severina Xique-Xique, uma das composições de maior sucesso foi rejeitada por vários artistas como Marinês, Zé Calixto, Abdias dos 8 Baixos, Messias Holanda e até Jackson do Pandeiro, por causa do duplo sentido e só o compadre Genival Lacerda que na época morava no bairro de José Pinheiro, aceitou cantar em 1974 e começou tocando nos shows políticos de Campina Grande. Quando chegou no Rio e cantou a música estourou.

O cantor e compositor morava no bairro do Quarenta e em 2016 foi homenageado dentro do projeto Sextas Musicais com show no Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP), da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Estudantes do curso de Filosofia e Música da UFCG estavam organizando um documentário com o artista, projeto que não foi concretizado por conta da pandemia.

Na década de 70 sua música foi interpretada por grandes estrelas como: Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Marines, Genival Lacerda, Trio Nordestino, Messias Holanda, Elino Julião e João Gonçalves entrou no meio dessas feras e conseguiu se destacar como compositor. Hoje somando todas as suas composições gravadas chegam a 1000.

Nos anos 2000, Amazan gravou ” Picolé”, o Trio Danado de Bom, lançou CD com 10 faixas de João Gonçalves e o forrozeiro Ton Oliveira, que no disco que lançou, a música estourada nas rádios “Locadora de mulher” é de autoria de João Gonçalves.

Nascido em Campina Grande, desde de criança cantava e inventava parodias. Gostava de cantar qualquer estilo e ritmo. Na fase adulta em roda de bar e tomando umas e outras com os amigos; continuou cantando e compondo.

Em 1966 o irmão de sua esposa que era universitário e morava com eles trazia sempre aulas gravadas e ele ficava escutando as aulas junto com ele. Então, João Gonçalves teve a idéia de comprar um gravador e nele registrar todas as suas ideias e depois passá-las para o papel, assim foram surgindo suas primeiras composições.

Em 1969, João assistiu o show de Messias Holanda e foi apresentado ao cantor por alguns amigos e ele aproveitou para lhe mostrar algumas de suas composições. Ele lhe pediu uma fita com algumas music
Em 1970, Messias fez sucesso com a primeira música gravada de João Gonçalves: Minha Margarida. Messias continuou gravando suas musicas e outros cantores que vinham à Campina Grande ele mostrava seu trabalho.

Em 1974, Messias o apresentou a Genival Lacerda que lhe pediu uma fita com algumas composições e ouviram juntos. Genival queria gravar quatro musicas, mas pediu que o colocasse como parceiro. Então, João registrou a parceria e ele gravou as musicas como prometeu.

Em 1975, João Gonçalves trabalhava como gerente em uma empresa de Campina Grande. E recebeu a visita de Oséias Lopes e Bastinho Calixto. Oséias era recente contratado da gravadora Typa Car para forma um Casting de forrozeiros. Como João era um compositor de destaque no gênero foi convidado para em 1976 gravar o primeiro LP no Rio de Janeiro.

Em 1976, João Gonçalves decidiu começar a cantar, mas manteve suas composições para o também ” rei da muganga” – Genival Lacerda. Outros sucessos vieram nas músicas “Mate o véio” e “Galeguinha do zoi azú”.
Nesse primeiro lançamento, João Gonçalves fez sucesso com a música: Pescaria em Boqueirão e assinei um contrato por 5 anos.

Em 1977 lançou: Só João Gonçalves. E a música de sucesso foi : Trambique da Butique.

Em 1978 lançou: Nordeste de Hoje.

Em 1979 lançou: Bicho Macho.

Em 1980 lançou: João Gonçalves – que o cantor considera o melhor disco de sua carreira.

Em 1981 lançou: Forró em Água. A Typa Car foi vendida para Continental. João Gonçalves foi contratado pela CBS (Hoje Sony).

Lançou em 1982: Preserve os Pássaros. Ficou um ano sem gravar prejudicando sua carreira.

Em 1984 lançou pela Lança Discos: Dá chuchu pra ela. A gravadora fechou e João Gonçalves ficou mais um ano sem gravar.

Em 1986 lançou pela Continental: Forró Pra Gente de Bem.

Em 1987lançou: João Gonçalves. Por conta de promessas não cumpridas pediu rescisão de contrato.

Em 1989 gravou pela Guriatan Discos que não foi lançado.

Em 1990 fez uma gravação pelo selo independente Music Color – SP e não foi lançado. Então, João Gonçalves resolveu parar de gravar como cantor. E continuou como compositor pela voz de outros artistas.

Em 1994 foi convidado pela gravadora Gogó da Ema – AL para gravar o seu primeiro CD: João Gonçalves . E a música de destaque foi: Empregada Doméstica.

Em 2001 lançou um CD independente com cinco musicas inéditas e regravações suas: João Gonçalves Ontem e Hoje.

Em 2002 gravou: João Gonçalves Ontem e Hoje Vl. 02. Dominguinhos não ficou de fora e conseguiu gravar duas músicas que vieram a ter uma boa repercussão, como “Um lugar ao sol” e “A verdade dói”.

Em 2008, após anos de trabalhos musicais e sucesso por todo o Brasil, o cantor e compositor campinense João Gonçalves teve sua carreira artística apresentada em um DVD com o título ‘João Gonçalves, Ontem e Hoje’.
*Na década de 70, período ditatorial, João Gonçalves teve seu 3 disco queimado em Campina Grande – PB pela policia federal do Estado e foi proibido de fazer shows no seu torrão natal. O motivo para essa agressão a liberdade de expressão, o refrão de uma música que dizia: “O bode comendo, acaba”.  As letras do compositor satirizavam: o falso moralismo, a política e políticos, a fama artística através e pelo dinheiro e etc.

*O duplo sentido em suas composições surgiram por acaso. A sua intenção era fazer músicas engraçadas. Mas na proporção das músicas que fizeram sucesso foi se envolvendo no estilo e desenvolvendo e aperfeiçoando esse gênero chegando a ter o titulo de Rei do Duplo Sentido. E a discriminação mais forte que ocorreu contra o seu trabalho foi no programa de Flávio Cavalcanti na TV Tupi, em que ele quebrou ao vivo o seu segundo disco. Depois desse fato a nível nacional a polícia Federal de Campina Grande começou a lhe perseguir com a proibição dos seus shows e lhe prenderam por duas vezes. No terceiro LP ele foi pedir autorização na Polícia Federal para fazer shows e vender seus discos. Por conta de uma das músicas que o refrão dizia: “O Bode Comendo acaba”. Eles recolheram todos os seus discos das lojas e queimaram e proibiram shows na Paraíba. João Gonçalves teve que sobreviver fazendo shows em outros Estados.

*No LP Nordeste de Hoje, a censura federal pediu as cópias das músicas de João Gonçalves. Houve um equívoco do produtor que deixou de mandar exatamente a letra de O Cariri assim falava no “bode comendo acaba” (a ração) “Eles mandaram prender e queimaram 3.600 exemplares desse disco”, relembra João. João Gonçalves já tinha sido detido na Festa das Neves, em João Pessoa, por causa de Pescaria em Boqueirão. Essa música fora proibida aqui na Paraíba, em 1976. “Eu sem saber que a música tinha sido proibida, cantei na Festa das Neves. Chegou um policial federal lá e disse: -Assine aqui! Eu pensei que fosse um autógrafo, assinei tranquilo. É que soube que era uma intimação”, recorda.

Fonte: Com Diário da Música e Cultura Nordestina em Foco

Leia mais: https://paraibadebate.com.br/cantor-campinense-e-internado-com-suspeita-de-avc/

Compartilhar

Enquete

Você concorda com a volta às aulas presenciais este ano?

Cotações

  • Dólar Turismo
  • Libra
  • Peso Arg.
  • Bitcoin

Denuncie pelo WhatsApp