Pesquisa do Sebrae mostra impacto da pandemia sobre os negócios na Paraíba

A pandemia causada pelo novo coronavírus teve grande impacto nos negócios. Uma pesquisa realizada pelo Sebrae junto aos pequenos negócios na Paraíba mostrou que 60% destes concluíram o ano de 2020 com faturamento pior que o registrado em 2019. O resultado reforça que a pandemia desafiou os empreendedores, exigindo resiliência, inovação e criatividade para driblar as dificuldades e manter os negócios ativos no mercado. Os dados da pesquisa, segundo a gerente da unidade de estratégia e monitoramento do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, evidenciam a dimensão dos impactos que são constantemente relatados pelos empreendedores de pequenos negócios desde o início da pandemia.

Os dados fazem parte da 10ª edição da pesquisa “O Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios”, realizada pelo Sebrae em todos os estados brasileiros entre os dias 25 de fevereiro e 1º de março, ouvindo 81 donos de estabelecimentos no estado. Além dos 60% que tiveram faturamento anual pior que o de 2019, outros 17% dos entrevistados disseram que o faturamento de 2020 foi melhor que o do ano anterior, seguidos por 8% que tiveram o mesmo faturamento nos dois anos em questão.

Já 15% dos participantes não souberam ou não quiseram responder. Ainda conforme os números da pesquisa, entre os empreendedores paraibanos que tiveram diminuição de faturamento na comparação 2019/2020, a redução média foi de 52%. Já entre os empresários que relataram aumento nas receitas, esse crescimento médio verificado foi de 44%.

Por sua vez, em relação ao cenário econômico atual, diante de um novo pico de contágio no Brasil, 61% dos paraibanos participantes disseram que implantaram mudanças para continuar funcionando durante a crise, enquanto 19% afirmaram que estão funcionando da mesma forma que já trabalhavam antes da pandemia.

Para se adaptar ao novo cenário, que impôs restrições de circulação às pessoas, as pequenas empresas aceleraram sua transformação digital e foram se adaptando com o passar dos meses. “As medidas restritivas para combater a aglomeração de pessoas, como forma de impedir a propagação da covid-19, trouxeram um impacto direto nos resultados das empresas neste último período de 2020. Somado a isso, para garantir a saúde de sua família, a maior parte da população optou por seguir as medidas restritivas, o que também impactou os negócios”, disse Ivani Costa.

Carteira assinada

Os pequenos negócios dos setores de serviço (1.120) e comércio (603) alavancaram a geração de empregos com carteira assinada na Paraíba, contribuindo, juntas, com 1.723 novas vagas, o que representa 67,6% do total gerado pelas micro e pequenas empresas no período.

Os setores de indústria da transformação (413), construção civil (403), extrativa mineral (24) e agropecuária (2) registraram, também, saldo positivo na criação de novos postos de trabalho em janeiro deste ano no estado. Somente as MPE de serviços industriais de utilidade pública (Siup) registraram saldo negativo de empregos, com 18 vagas fechadas.

Compartilhar