Sem máscara, Bolsonaro volta a dizer que não adianta ficar em casa

Imagem: Reprodução/R7

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — Apesar do esforço de auxiliares do governo e de parlamentares, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) continua na direção contrária às recomendações sanitárias para conter a disseminação da Covid-19.

Sem máscara, ele voltou a dizer que não adianta ficar em casa. Minutos antes, ao lado dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, discursou desincentivando as aglomerações.

Queiroga participou de uma manifestação conjunta após a primeira reunião do comitê de enfrentamento à crise do novo coronavírus, criado na quarta-feira passada (24).

Bolsonaro não participou desse primeiro encontro – a declaração do presidente foi feita em evento para divulgar a nova rodada do auxílio emergencial.

O ministro apelou pelo uso de máscaras e pelo distanciamento social durante o feriado de Páscoa, apesar de se dizer contra medidas “extremas”, uma referência velada ao lockdown.

“Sabemos que, nos grandes feriados, há possibilidade de aglomeração desnecessária. As pessoas devem observar o uso de máscara e guardar o distanciamento entre si para que a doença não se transmita”, disse Queiroga.

“Se fizermos essas ações de maneira efetiva, teremos melhores resultados. Medidas extremas nunca são bem vistas pela sociedade brasileira e têm dificuldade de adesão. Vamos, então, fazer cada um a nossa parte”, disse.

Poucos minutos depois, no salão ao lado, no segundo andar do Palácio do Planalto, Bolsonaro apareceu para anunciar o calendário da nova rodada do auxílio emergencial.

Sem máscara, fez um pronunciamento contra medidas restritivas.

“Tínhamos e temos dois inimigos, o vírus e o desemprego. É uma realidade. Não é ficando em casa que vamos solucionar este problema”, afirmou o presidente.

Bolsonaro disse que o governo não pode continuar pagando auxílios porque “custa para toda a população e pode desequilibrar nossa economia”.

“O apelo que a gente faz aqui é que esta política de lockdown seja revista. Isso cabe, na ponta da linha, aos governadores e aos prefeitos. Porque só assim podemos voltar à normalidade”, afirmou. “O Brasil tem que voltar a trabalhar.”

Em nova crítica a prefeitos e governadores, o presidente voltou a comparar medidas restritivas ao estado de sítio, o que é equivocado.

“Queremos voltar à normalidade o mais rápido possível”, disse o presidente, que também tornou a falar em medo de “problemas sociais gravíssimos no Brasil”.

“Se a pobreza continuar avançando, não sei onde poderemos parar.”

Enquanto isso, em audiência na Câmara, Marcelo Queiroga voltava a defender o distanciamento.

“Fiz agora um pronunciamento em companhia de [o presidente do Senado, Rodrigo] Pacheco e de Arthur Lira, no qual conclamei a população para, nessa época da Semana Santa, que é um feriado prolongado, para evitar aglomerações e festas. Não há o que se comemorar, nossa sociedade tão fragilizada. E [conclamei] a usar máscaras. Vamos começar desde já a adotar essas medidas tão importantes quanto as vacinas e as ações de assistência em saúde.”

Apesar de defender medidas de prevenção, Queiroga tem feito um aceno ao presidente e se colocado contra medidas como lockdown, afirmando que a população não adere às restrições. Diz o mesmo para leis que obrigam o uso de máscaras.

“Precisa a população aderir a isso, não é com lei que vai resolver. Tem que ter campanhas de conscientização, e uma política emanada do Ministério da Saúde orientando que estados e municípios adotem a mesma prática, a fim de evitar que medidas extremas como lockdown sejam aplicáveis”, disse. “A população não adere a lockdown.”

Compartilhar